A cobra mais estranha do mundo!


Esta pode ser considerada umas das cobras mais estranhas do mundo. Primeiro que elas têm o corpo mais avolumado e as escamas são arredondadas e depois que a pele é frouxa dando a impressão de serem maiores que as outras cobras. Por estas características são conhecidas como “serpente tromba de elefante” classificadas no gênero Acrochordus e na família Acrochordidae que só possui três espécies deste mesmo gênero. É considerada uma espécie primitiva.

É uma serpente de água doce e como não possui veneno matam suas presas por estrangulamento caçando por meio de emboscada. O tamanho alcança 2,5 metros. Geralmente se alimentam de peixes e anfíbios. Sua pele frouxa auxilia na captura das presas que geralmente são escorregadias. São frequentemente encontradas em rios e lagos em toda Austrália e Indonésia. Ativas durante a noite, as serpentes tromba de elefante podem ficar submersas por mais de 30 minutos.

criaturamalasia1

As serpente tromba de elefante tem pele frouxa e por isso parece ser maior que as cobras que normalmente vimos por aí.

Acrochordus-arafurae

Acrochordus arafurae

Acrochordus-granulatus

Acrochordus granulatus


Acrochordus--javanicus

Acrochordus javanicus

Fonte:  The Featured Creature


Atenção: O material neste site é fornecido apenas para fins educacionais, e não deve ser usado para conselhos médicos, diagnósticos ou tratamentos. 


Bióloga - CRBio/RJ 96514/02-D. Fundadora e administradora do Diário de Biologia. Possui graduação em Licenciatura e Bacharelado em Ciências Biológicas. Doutorado (2013) e Mestrado (2009) em Zoologia pelo Museu Nacional/UFRJ, especialista em insetos, autora do livro "O Mundo Secreto dos Insetos" - Cortez Editora. Experiência com palestras nacionais e internacionais. É autora ou coautora de artigos científicos publicados em revistas científicas, livros e capítulos de livro, e comunicações em eventos nacionais e internacionais. Colaboradora em revistas de divulgação científica para crianças (Ciência Hoje Para Crianças e Revista Recreio). Interessada em cultivo de plantas carnívoras. Atualmente mora na França, mas seu coração é brasileiro. Instagram: @karlla_diariodebiologia.