Uma explosão evolutiva: Será que este inseto é real?


É verdade, a primeira coisa que a gente fala quando encontra uma criaturinha dessa é pensar: “isso não existe!” Mas a verdade é que eles são bem reais e por sinal, muito comuns aqui no Brasil.

Conhecidos como “treehoppers”, esses insetos são hemípteros da subordem Auchenorhyncha, família dos membracídeos. O nome científico é Bocydium globulare, que por causa desse “enfeite” no pronoto, às vezes muito maior que o próprio corpo, são tratados como um dos insetos mais bizarros do mundo.

Tanto os machos quanto as fêmeas de Bocydium globulare possuem projeções  globulares ocas e espinhosas no pronto, que não possuem função fisiológica, mas segundo os especialistas esses “incrementos” podem funcionar como defesa contra os predadores, como os pássaros, por exemplo. Alguns autores afirmam que o enfeite se parece algumas vezes com uma formiga que, geralmente, não são as presas preferidas dos predadores. Outros acreditam que as projeções possuem alguma função atrativa na reprodução da espécie, mas nada é comprovado. Como os ornamentos apresentam cerdas, acredita-se também em uma função sensorial da estrutura.


FONTE: Why Evolution is True

 


Atenção: O material neste site é fornecido apenas para fins educacionais, e não deve ser usado para conselhos médicos, diagnósticos ou tratamentos. 


Bióloga - CRBio/RJ 96514/02-D. Fundadora e administradora do Diário de Biologia. Possui graduação em Licenciatura e Bacharelado em Ciências Biológicas. Doutorado (2013) e Mestrado (2009) em Zoologia pelo Museu Nacional/UFRJ, especialista em insetos, autora do livro "O Mundo Secreto dos Insetos" - Cortez Editora. Experiência com palestras nacionais e internacionais. É autora ou coautora de artigos científicos publicados em revistas científicas, livros e capítulos de livro, e comunicações em eventos nacionais e internacionais. Colaboradora em revistas de divulgação científica para crianças (Ciência Hoje Para Crianças e Revista Recreio). Interessada em cultivo de plantas carnívoras. Atualmente mora na França, mas seu coração é brasileiro. Instagram: @karlla_diariodebiologia.