Por que ficamos com calos nas mãos e nos pés?


” Tenho muitos calos nas mãos, por causa da academia, queria saber por que eles se desenvolvem.” Artur Passos


Artur, os calos são uma reação de defesa da pele a traumatismos, pressão ou atritos constantes. Essa pressão ou atrito sobre uma região da pele, geralmente provoca uma isquemia do tecido, formando uma bolsa serosa superficial ou profunda que comprime o nervo causando dor e infecção. Por não haver suprimento sanguíneo no local (isquemia), ocorre a morte celular da camada da pele, originando os calos.

 Nas mãos os calos geralmente estão relacionados a atividades físicas que implicam atritos constantes no mesmo local, como segurar peso, escrever, carpir ou jogar tênis. Não costumam doer e tendem a desaparecer assim que o estímulo que o provocou deixa de existir. Nos pés, os calos também podem estar associados a saliências ósseas, quando a pele fica comprimida entre o osso e o sapato. Em alguns casos, essa compressão atinge terminações nervosas e provoca dor. Esses calos são mais difíceis de sumir do que o das mãos.

hands
O organismo reage à agressão aumentando a camada de pele no local, o que dá aquele aspecto duro e áspero, o calo!

Atenção: O material neste site é fornecido apenas para fins educacionais, e não deve ser usado para conselhos médicos, diagnósticos ou tratamentos. 


Bióloga - CRBio/RJ 96514/02-D. Fundadora e administradora do Diário de Biologia. Possui graduação em Licenciatura e Bacharelado em Ciências Biológicas. Doutorado (2013) e Mestrado (2009) em Zoologia pelo Museu Nacional/UFRJ, especialista em insetos, autora do livro "O Mundo Secreto dos Insetos" - Cortez Editora. Experiência com palestras nacionais e internacionais. É autora ou coautora de artigos científicos publicados em revistas científicas, livros e capítulos de livro, e comunicações em eventos nacionais e internacionais. Colaboradora em revistas de divulgação científica para crianças (Ciência Hoje Para Crianças e Revista Recreio). Interessada em cultivo de plantas carnívoras. Atualmente mora na França, mas seu coração é brasileiro. Instagram: @karlla_diariodebiologia.