Animais

Vamos falar sobre Febre Amarela: tudo que você precisa saber!

tudo sobre febre amarela

Doença infecciosa causada por um VÍRUS e transmitida através de um vetor, UM MOSQUITO! Essa doença ocorre na América do Sul e Central, e em alguns países da África. A transmissão da febre amarela em áreas silvestres é feita por intermédio de MOSQUITOS, principalmente, do gênero Haemagogus, nessas áreas o ciclo da doença é mantido entre macacos e através da transmissão transovariana (passado de mosquito para seus descendentes) no próprio mosquito.

A partir dessa fase pode ocorrer a contaminação do ser humano, do meio rural para o meio urbano. No meio urbano o responsável pela transmissão do vírus é o MOSQUITO Aedes aegypti, mesmo transmissor da dengue e da chicungunha, O contágio ocorre quando uma pessoa que não tenha tomado a vacina contra febre amarela circula em áreas de risco e é PICADA por um MOSQUITO INFECTADO. Uma pessoa pode servir de fonte de infecção para o mosquito mesmo antes de apresentar os sintomas, o Aedes aegypti é capaz de transmitir o vírus 9 a 12 dias após ter picado uma pessoa infectada.

Os sintomas da doença podem ir de brandos a severos. As primeiras manifestações da doença são febre alta, calafrios, cansaço, dor de cabeça, dor muscular, náuseas e vômitos. Na forma mais grave pode ocorrer insuficiências hepática e renal, icterícia, hemorragia e cansaço intenso. A maioria dos infectados apresenta uma boa recuperação e ADQUIRE IMUNIDADE contra a febre amarela. Não existe um tratamento específico, o médico irá tratar os sintomas utilizando antitérmicos e analgésicos. Salicitados devem ser evitados (ASS e Aspirina), pois o uso pode favorecer o aparecimento de hemorragias. Muito importante: em caso de qualquer sintoma procure um médico, pois só um médico é capaz de diagnosticar e tratar corretamente a doença.




E como eu faço para me proteger? A melhor forma de prevenção é a vacinação e evitar a disseminação da doença barrando a proliferação dos MOSQUITOS. As fêmeas dos MOSQUITOS colocam seus ovos em locais que contenham água parada, qualquer recipiente que acumule água e não seja devidamente tampado são ótimos locais para as fêmeas depositarem seus ovos, deles nascem as larvas e após seu desenvolvimento tornam-se mosquitos. Para eliminar o mosquito adulto a melhor forma é a utilização de inseticidas.

Aprenda a fazer uma vela de citronela super repelente que mantém os mosquitos longe da sua casa

A vacina não só evita o contagio, mas também evita a disseminação da febre amarela, lembre-se que o MOSQUITO só transmitirá o vírus se estiver infectado, ou seja, o mosquito precisa contrair o vírus para depois passar adiante e uma pessoa serve de fonte de infecção.  O uso de repelente e mosquiteiro também são recomendados para evitar contato com o mosquito, principalmente para pessoas com contraindicação de vacinação. A vacina é indicada para pessoas que residem ou irão viajar para as áreas de risco. Vale lembrar que em abril de 2017, o Ministério da Saúde passou a adotar uma dose única da vacina, então as pessoas não precisam tomar a vacina a cada dez anos, mas para melhores informações sobre vacinação, procure um posto próximo a sua residência e converse com um profissional da saúde.



Macacos são vítimas

Até agora você só leu que o MOSQUITO é o vetor responsável pela transmissão da doença, certo? Isso porque o MOSQUITO é o único responsável. Isso mesmo, O ÚNICO! Os macacos são tão vítimas dessa doença quanto os seres humanos, ou seja, eles também são contaminados com a febre amarela, mas NÃO são capazes de transmitir a doença para um ser humano ou qualquer outro animal. Para os seres humanos o vírus pode ser detido pela vacinação. Já para os macacos não existe essa opção, não há vacinas, a maior parte dos macacos infectados morre. Diante disso, é um absurdo que centenas de macacos estão sendo mortos por seres humanos, até mesmo espécies ameaçadas de extinção, como o mico-leão-dourado. Inclusive, os macacos servem de biomarcadores da presença do vírus da febre amarela.

Cientista analisa perfume da  Victorias Secret® e descobre alto poder repelente a mosquitos

A morte de macacos em uma determinada região serve de alerta, as autoridades de saúde iniciam um protocolo de segurança, isolam a área e iniciam a vacinação da população, evitando a expansão do vírus entre humanos. Essa estratégia foi proposta pelo Ministério da Saúde em 1999, faz muito tempo que os macacos nos ajudam a identificar novas áreas de transmissão do vírus, está na hora de pararmos de ser os grandes vilões e ajudar a preservar os macacos, que são vítimas duas vezes: da doença e da perseguição das pessoas. Agora que você sabe disso, ajude a preservá-los, passe essa informação adiante.



Ação antrópica?

Em 2009 houve um surto de febre amarela no Rio Grande do Sul e foi vinculado, principalmente, com o desmatamento. E o surto atual? Por que está ocorrendo? Alguns biólogos acreditam que esse surto tem relação com a tragédia de Mariana que ocorreu em 2015, essa hipótese leva em consideração a localização das cidades mineiras que tiveram pacientes identificados com a doença. Muitas dessas cidades encontram-se próxima do Rio Doce, afetado pela Barragem do Fundão. Mudanças ambientais bruscas acabam afetando a saúde dos animais, que ficam mais suscetíveis a doenças como a febre amarela.

Além disso, o número de peixes e sapos diminuiu muito após a tragédia, moradores da região afirmam que não escutam mais sapos cantando, sabe-se que a larva dos mosquitos serve de alimento para esses vertebrados, como agora não existe mais um predador para as larvas, o número de mosquitos aumenta e a probabilidade é que ocorra um aumento na disseminação de doenças. Ainda não existe uma comprovação de que esse seja o real motivo, mas acontecimentos parecidos em outras partes do mundo acarretaram o aumento de algumas doenças e servem de precedentes para essa hipótese.

fiocruz / revistapesquisa / agenciabrasil / blog.saude / ambientelegal

Atenção: O material neste site é fornecido apenas para fins educacionais, e não deve ser usado para conselhos médicos, diagnósticos ou tratamentos. 


Topo