Costumes antigos

Investigador faz “CSI” da morte de Cleópatra e revela que ela não morreu por picada de serpente. Ela estudou e fabricou um veneno fatal para se matar

Investigador faz “CSI” da morte de Cleópatra e revela que ela não morreu por picada de serpente. Ela estudou e fabricou um veneno fatal para se matar
3.5 (70%) 2 votes

Todo mundo conhece a história da morte de Cleópatra, a rainha do Egito.  De acordo com o egiptólogo Dr. Joyce Tyldesley, os antigos relatos dizem que uma cobra se escondeu em uma cesta de figos trazidos do campo, e essa foi a responsável por matar a rainha e uma ou duas de suas servas.

Ela teria usado a serpente venenosa para se matar com uma picada fatal no seio. E essa é imagem que você encontrará se pesquisar sobre a morte da rainha do Egito. No entanto, através de  uma vasta pesquisa feita através da Universidade de Trier, o alemão Christoph Schaefer revelou em seu livro que Cleópatra não teria morrido por uma picada de serpente e sim, se matou após ingerir uma mistura de venenos.


O pesquisador examinou muitos documentos antigos e passou anos pesquisando o assunto. Ele diz ter certeza que uma cobra não está envolvida na morte da rainha do Egito. E ele explica em argumentos claros!

Morte calma e sem dor

Segundo registros, a rainha foi encontrada com aparência suave, semblante tranquilo e mantinha as mesmas feições de quando estava adormecida. Segundo os relatos do historiador romano Cassius Dio, escritos 200 anos depois da morte de Cleópatra, a rainha teve “uma morte calma e sem dor”.

Picada de cobra?

Sabemos o que acontece quando uma pessoa é picada por uma cobra. A morte é dolorosa, sofrida e não é imediata. As vítimas podem demorar entre 45 minutos e horas para morrer e sofrem com vômitos, diarreia, falta de ar. Cleópatra teria morrido com a picada de uma naja-egípcia (Naja haje), que possui um veneno neurotóxico. Ou seja, ela possui toxinas que agem especificamente sobre o sistema nervoso.

A ação deste veneno bloqueia os impulsos nervosos, paralisando a vítima. Pode levar à parada respiratória. A pessoa afetada tem ataques epiléticos seguidos de morte.  O envenenamento por essa espécie provoca também dor local, inchaço grave, contusões, bolhas e necrose. Então como a rainha pode ter morrido tranquilamente? Uma única cobra picaria e mataria tão rapidamente 2 ou 3 pessoas ao mesmo tempo.

 Ela estudava venenos

Os antigos papiros mostram que a rainha conhecia venenos e um dos documentos consultados por Schaefer se refere aos testes que ela fez com diversas misturas fatais. Ela sabia, portanto, a mistura e dosagens certas para ter uma morte rápida e tranquila, como ela desejaria. Ela teria usado uma mistura de cicuta (Conium maculatum), acônito (Aconitum napellus), erva Moura (Solanum nigrum) e ópio (extrato da papoula Papaver somniferum) em dosagens minuciosamente testadas. O ópio a fez dormir e as outras três ervas cuidaram para que sua respiração parasse durante o sono. Morreu como um bebê dormindo, mas antes disso, teria obrigado seus servos a ingerirem também a mistura venenosa.

O pesquisador também revela que as pinturas em que Cleópatra aparece representada com a serpente egípcia no braço só começaram a aparecer no século XV e muito mais tarde é que os pintores a começaram a pintar com a cobra no peito. “Estou realmente convencido de que essa história aconteceu de maneira diferente. Não há cobra alguma“, disse.

publico / bbc

Novidades

Topo