Estudos e pesquisas

Mais um motivo para comemoração: Cientistas descobrem que ingestão vitamina B3 pode impedir abortos e malformações do feto

Mais um motivo para comemoração: Cientistas descobrem que ingestão vitamina B3 pode impedir abortos e malformações do feto
Esse texto foi informativo para você?

Pesquisadores australianos identificaram uma deficiência em uma molécula chamada NAD (dinucleotídeo de nicotinamida e adenina), capaz de impedir a formação correta dos órgãos dos bebês no útero. Essa deficiência pode ser corrigida através da ingestão da vitamina B3.

Essa descoberta pode reduzir significativamente o número de abortos espontâneos e defeitos congênitos, já que é a primeira vez que essa molécula e o tratamento com vitamina B3 estão associados. A equipe começou as pesquisas estudando um caso em que um bebê apresentava anomalias no coração, espinha dorsal e costelas. Uma análise genética foi realizada e mostrou que tanto a mãe como o pai da criança tinham uma mutação no gene envolvido com a produção de NAD, uma molécula que já é conhecida pela produção de energia, reparação do DNA e comunicação celular.


No total, 14 famílias foram estudadas, cujos filhos apresentavam anomalias congênitas. Quatro famílias apresentaram mutações no NAD. A partir disso, pensando em estratégias de tratamento, a equipe utilizou animais de laboratório e aplicou a técnica de edição de genes CRISPR-Cas9.

As cobaias fêmeas que tiveram a mutação deram à luz, a animais com anomalias significativas, ou morreram. O grupo alimentado com dieta que incluiu a suplementação com a vitamina B3 gerou uma cria mais saudável. Apesar dos testes terem sido realizados somente com animais, o estudo é muito promissor, com potencial para futuramente mudar a vida de milhares de famílias.

A vitamina B3 pode ser encontrada em carnes e vegetais verdes, mas os cientistas ainda não recomendam nenhuma dosagem específica e nem um aumento no consumo desses alimentos além do que as necessidades nutricionais normais, pois os estudos são muito recentes.

O próximo passo do estudo será o desenvolvimento de um teste de diagnóstico, utilizando urina ou sangue, para detectar quais mulheres que têm baixos níveis de NAD e precisam da suplementação.

zap


Novidades

Topo