Estudos e pesquisas

A mulher imortal: Esta mulher morreu em 1951, mas suas células continuam se multiplicando infinitamente nos laboratórios de todo mundo

Henrietta Lacks, nascida em 1920 em Baltimore, teve câncer no colo do útero aos 31 anos de idade, e pouco antes de morrer ela foi doadora involuntária de tecido do seu corpo de onde surgiu a linhagem celular HeLa, uma referência ao nome de Henrietta. As células HeLa foram cultivadas quando a mulher ainda recebia tratamento para um câncer do colo uterino no Johns Hopkins Hospital. Seu câncer produzia metástases anormalmente rápidas (se reproduzia, fazia mitoses), mais que qualquer outro tipo de câncer conhecido pelos médicos.

Mesmo depois de morta, as células dessa mulher continuaram sendo cultivadas para estudo de sua impressionante longevidade, sendo distribuídas por vários laboratórios em todo o mundo. Pesquisadores estimam que haja aproximadamente 50 milhões de toneladas dessas células circulando no mundo. Elas permitiram o desenvolvimento de uma vacina contra a poliomielite e inúmeros tratamentos médicos, e também foram levadas nas primeiras missões espaciais para ajudar cientistas entender o que aconteceria com o tecido humano em situações de gravidade zero.


Neste meio século desde a morte de Henrietta, suas células foram continuamente usadas em experimentos e pesquisas contra o câncer, AIDS, efeitos da radiação, mapeamento genético e muito mais. Milhares de trabalhos científicos foram realizados com essas células.

Uma leva de células de Henrietta pode ser reproduzida em 24 horas. Elas foram as primeiras células humanas imortalizadas cultivadas em laboratório e já são cultivadas há mais tempo fora do que dentro do corpo de Henrietta. As células HeLa são chamadas de imortais por se dividirem num número ilimitado de vezes, desde que mantidas em condições ideais de laboratório. Atribui-se isso ao fato dessas células terem uma versão ativa da enzima Telomerase, implicada no processo de morte das células e no número de vezes que uma célula pode se dividir.

Considerando que cada lote de células pode custar entre US$ 10 e US$ 10 mil, o tumor de Henrietta virou um negócio farmacêutico multi-bilionário. Nem um centavo desse lucro, no entanto, foi parar para os filhos de Henrietta. Durante quase 30 anos, eles sequer souberam que um pedaço de sua mãe estava vivo e sendo usado para pesquisas médicas.

Fontes: bbc / / super.abril Imagens: Reprodução/elokojewellery / microscopyu

Acesse nosso novo site! data-recalc-dims=

Comentários

Novidades

Topo