Anomalias e doenças

5 descobertas científicas que mostram o quanto estamos próximos da cura do câncer

De acordo com comunicado emitido por pesquisadores da University College de Londres (UCL), já é possível considerar que em 2050 quase todas as mortes relacionadas ao câncer em crianças e adultos com idade até 80 anos serão evitáveis. O que torna este um passo especial na história da medicina é que esta doença está em processo de se tornarem cada vez mais prognosticáveis ou integralmente curáveis.

Com o aumento significativo do reconhecimento dos sintomas e o ininterrupto investimento em saúde pública e ciências biomédicas em todo o mundo, é possível dizer que em meados deste século a guerra contra o câncer pode ser vencida. Selecionamos abaixo cinco motivos pelos que nos fazem acreditar na cura definitiva de quase todos, se não todos os tipos de câncer.

Interromper a metástase

Conforme já discutimos anteriormente, no câncer do tipo carcinoma, as células se multiplicam rapidamente e possuem a capacidade de “invadir” outros tecidos e órgãos, ou seja, ele se espalha e ocorre a metástase. A metástase, então ocorre quando células tumorais atingem corrente sanguínea, podendo com isso, alcançar qualquer parte do corpo. Conseguir interromper a metástase, seria um dos passos mais longos em direção à cura da doença.

A boa notícia é que, de acordo com um recente estudo publicado pela revista Nature, a ciência pode estar próxima disso. Neste artigo, os pesquisadores dizem que desligando uma molécula específica, a “death receptor 6” já foi possível em testes de laboratoriais, conter a facilidade das células doentes se espalharem pelo organismo.

Achar e destruir as células tumorais

Em um comunicado da Phys Org Cientistas da Universidade Nacional de Investigação Nuclear (MEPhI), de Moscou, criaram nanossondas que podem ser introduzidas no corpo com capacidade de localizar e fixar em células que podem conter câncer. A tecnologia usada reluz uma faixa infravermelha a cada vez que se choca com as células cancerígenas, as tornando visíveis aos cientistas e poderão assim, ser destruídas.

Modificação da Salmonella

Um recente estudo indica que a bactéria Samonella, bastante conhecida por causar intoxicação alimentar, pode se tornar uma poderosa arma contra o câncer. De acordo com um artigo publicado na revista Science, uma modificação estrutura genética desta bactéria, poderá fazer com que ela desencadeie no organismo uma resposta imune contra células de câncer, encolhendo tumores e impedindo a metástase. Testes com ratos de laboratório já se mostraram eficientes.

Identificação precoce

Cientistas da Universidade de Stanford, desenvolveram um programa de computador usando com algoritmo de inteligência artificial que tem a capacidade de fazer o rápido diagnóstico de um paciente com câncer de pele. Essa nova tecnologia será crucial para auxiliar dermatologistas na identificação rápida de casos dessa doença.

Transformação do sangue

Nova terapia genética, revelada através de um comunicado do NIHNational Cancer Institute, poderá transformar sangue do próprio paciente de câncer em um exterminador da doença. O tratamento consiste na filtragem do sangue do paciente para remover células do sistema e transformá-las geneticamente em laboratório em matadoras de câncer. Alteradas, elas seriam devolvidas ao corpo via intravenosa. As células permaneceriam modificadas e se multiplicariam, formando um exército para combater a doença. No total, 82% dos pacientes tiveram seu câncer reduzido pelo menos pela metade durante os ensaios.

Fontes: phys.org / sciencemag/ cancer.gov/ vixciencia
Artigos: Boris Strillicet et. al / Jin Hai Zheng et. al /
Imagens: Reprodução/medicalnewstoday / dermatologiasp
Comentários

Novidades

Topo