Novo órgão do corpo humano acaba de ser classificado. Todos os livros de anatomia terão que ser atualizados!

Tirando as pesquisas com DNA, até hoje, achávamos que o corpo humano já estava mais do que estudado. Mas pesquisadores acabam de propor uma nova classificação para um órgão que esteve, todo esse tempo, escondido no nosso sistema digestivo. Embora os pesquisadores já conheçam bem a morfologia anatômica do novo órgão, sua função é ainda desconhecida e agora, estudos exaustivos serão elaborados para uma melhor compreensão e tratamento das doenças abdominais e digestivas.

O novo órgão está sendo chamado de MESENTÉRIO, está localizado em nosso sistema digestivo, e antes, da forma como era conhecido, pensava-se em diversas estruturas fragmentadas e separadas. Mas este novo estudo mostrou que o mesentério é realmente um órgão contínuo do corpo humano. Trata-se de uma dobra membranosa que liga os outros órgãos à parede do corpo. “A descrição anatômica que existe há cem anos estava incorreta. O órgão está longe de ser fragmentado. É simplesmente uma estrutura contínua”, diz o pesquisador J. Calving Coffey, do Hospital Universitário Limerick (Irlanda).

Em 2012 Coffey e sua equipe já haviam assinalado através de microscopia detalhada que o mesentério é na verdade um órgão contínuo. Mas só agora, depois de estudos exaustivos, é que a revelação foi feita para toda comunidade médica através de um artigo publicado na revista The Lancet Gastroenterology & Hepatology. Hoje, o mesentério pode ser descrito como uma dobra do peritônio, o revestimento da cavidade abdominal – que sustenta o nosso intestino à parede abdominal, e mantém os órgãos no local correto.

Ainda não se sabe se o mesentério deve ser visto como parte dos sistemas intestinal, vascular, endócrino, cardiovascular ou imunológico, pois tem papéis importantes em todos eles. Suas funções estão sendo investigadas a níveis hematológicos, imunológicos, endócrinos, metabólicos e outros. A descoberta é tão inovadora que livros médicos estão sendo atualizados para incluir a nova informação.

O que vai mudar para a medicina?

Além do fato de que este novo órgão precisará passar a ser estudado na formação de novos médicos, os especialistas estão bastante animados com as novas descobertas, agora será possível categorizar doenças abdominais e o estudantes e pesquisadores poderão investigar seu papel nesta região. Agora que o novo órgão já descrito e está estabelecido, o próximo passo é descobrir de fato a sua função. Afinal quando sabemos a função, é possível identificar quando algo está anormal e aí, fica mais fácil classificar uma doença.

Fontes: sciencealert /elitedaily/ hypescience
Artigo: J Calvin Coffey & D Peter O'Leary
Imagens: Reprodução/ sciencealert/elitedaily