Alimentação

Por que as pessoas nascem com intolerância a lactose?





“Por que nascem tantas pessoas com intolerância a lactose?” (Marcelo Carvalho)

Olá Marcelo! Na verdade essa condição de intolerância a lactose é uma programação genética criada desde a nossa formação, por isso todos os mamíferos humanos são predestinados a tornarem-se intolerantes quando se tornam adultos, porém algumas pessoas podem já nascer com intolerância, por isso vamos entender o que é essa intolerância e como ela funciona em nosso organismo.


A lactose é um dissacarídeo hidrolisado pela enzima intestinal lactase, ou seja, é um tipo de açúcar encontrado no leite e derivados que só pode ser digerido ou quebrado por uma enzima específica chamada de lactase que é responsável pela sua transformação em glucose e galactose. A intolerância à lactose significa dizer que temos alguma deficiência de lactase e por isso não conseguimos fazer sua digestão o que pode causar alguns desconfortos, como diarréias, dores, gases, inchaços, náuseas e vômitos.

Existem três tipos de intolerância: a primeira se chama Intolerância primária, onde é resultado do envelhecimento, ou seja, é aquela programação genética realizada desde a nossa formação, ou seja, quando somos bebê e nossa base da alimentação é apenas o leite produzimos bastante essa enzima já que teremos que digerir muita lactose diariamente, porém quando crescemos e incluímos outras variedades de alimentos essa necessidade de produção da lactase vai diminuindo, como nossa capacidade de digerir esse açúcar, algo normal com o envelhecimento.

O segundo tipo é a Intolerância secundária resultado de alguma doença ou ferimento. Quando o intestino deixa de produzir a enzima lactase devido alguma doença, cirurgia ou alguma interferência intestinal. Doenças como a celíaca, gastroenterite e a doença de Crohn podem causar essa intolerância no ser humano, porém assim que tratado a intolerância é resolvida.

Essa intolerância é resultado da falta da enzima lactase, produzida no intestino delgado, que tem a finalidade de decompor o açúcar do leite em carboidratos, para a sua melhor absorção.

O terceiro tipo é a Intolerância congênita quando a pessoa já nasce com o problema. Essa condição é muito rara se comparado a intolerância primária que afeta cerca de três quartos da população mundial. Na condição congênita o bebê nasce com uma deficiência total de lactase no organismo, essa manifestação é uma herança autossômica recessiva, ou seja, tanto o pai quanto a mãe precisam transmitir esse mesmo gene levando o filho a ter esta condição, além disso, é passado de geração em geração.

É por isso que é normal tantas pessoas apresentarem intolerância na fase adulta, pois somos geneticamente programados para isso, mas não significa dizer que devemos abolir o leite e derivados de nossa alimentação, pois é um alimento rico em muitos outros nutrientes necessários para o nosso desenvolvimento. Porém, para aqueles que são muito intolerantes podem substituir com o leite sem a lactose, além de diminuir as quantidades de alimentos fabricados com o leite e seus derivados. Portanto, apesar de sermos mamíferos e necessitamos do leite para se desenvolver quando bebê não significa dizer que passaremos a vida inteira com a necessidade deste mesmo alimento, até porque outros alimentos podem ser adicionados em nossa alimentação que suprem essa necessidade, por isso procurar um nutricionista é sempre recomendado, pois cada indivíduo é único e apresenta uma dieta com quantidades e nutrientes diversos e distintos.

Fontes: minhavida / sentirbem /
Artigos:  Paz Arruda & Teo / MATTAR, Rejane & MAZO, Daniel / Andreazi & Barbosa
Imagens: Reprodução/ tuasaude / remedio-caseiro
Comentários

Novidades

Topo