Comportamento

“Fertilizei meu canteiro de alface com meu sangue menstrual”. Sim, é isso mesmo que você leu!

Lendo uma cópia do tratado feminista da Inga Muscio, Cunt: A Declaration of Independence, a portuguesa e feminista Beca Grimm se deparou com a frase  “Deita o sangue menstrual dentro de um frasco, complete com água, e rega as tuas plantas. Elas adoram. ”. Rapidamente veio a ideia de que isso seria uma excelente forma que fazer alguma coisa útil com o sangue desperdiçado durante a menstruação. “Procurei no Google esta tendência perturbadora e encontrei meia dúzia de páginas que apoiam esta escola da jardinagem”, disse em seu relato postado no site Vice.

Decidida em fazer o experimento, Beca coletou o sangue com um coletor menstrual comum. Juntou ao sangue 9 partes de água e usou a solução sangrenta para regar seu canteiro de alfaces e uma mudinha de Aloe vera (babosa). No sétimo dia do ”experimento sangrento” estava tudo bem com as alfaces, elas haviam crescido cerca de 8 centímetros e já davam para preparar uma salada. “Lavei a alface ensanguentada, não foi fácil, e preparei uma salada de verão, com morangos”, disse.


Beca relatou que apesar da ausente diferença de sabores a terra estava cheia de nutrientes e pode favorecer o crescimento da planta. “Ter usado o meu corpo para cultivar e fazer crescer uma alface é uma coisa que me emociona. É uma coisa que um homem nunca fará”.

“Lavei a alface ensanguentada, não foi fácil, e preparei uma salada de verão, com morangos”, disse.

“Lavei a alface ensanguentada, não foi fácil, e preparei uma salada de verão, com morangos”, disse.

Tem fundamento biológico nisso?

Na verdade, esse é um conceito tão natural e antigo que existem relatos de rituais indígenas em que a mulher, de cócoras, deixava o sangue menstrual escorrer livremente, penetrando e nutrindo a terra, mantendo assim o ciclo de fertilidade em uma linda relação entre os seres humanos e o planeta. Graças a presença de três nutrientes importantíssimos para as plantas – o nitrogênio, o potássio e o fósforo – o sangue é um bom fertilizante.

O nitrogênio é muito importante para o crescimento das plantas, pois é o responsável pela produção de novas células e tecidos. Já o potássio é responsável pelas reações enzimáticas e se relaciona também com a fotossíntese e a produção de carboidratos. Em solos deficientes, o potássio pode se esgotar em apenas um dia, por isso a liberação de potássio proveniente do sangue no solo é tão valiosa para o crescimento dos vegetais, por exemplo. O fósforo também estimula o crescimento e a formação de raízes e sementes, além de ser importante para a realização de atividades enzimáticas no interior das células. Ele influencia também o processo de fotossíntese, deixando suas plantas bem verdinhas e lindas!

Fonte: vice / korui


Imagens: Reprodução/ vice

⚠  ATENÇÃO:  Nosso novo site, especial para mulheres, já está no ar. Acesse Diário Mulher.



Comentários

Novidades

Topo