Estudo afirma: filtros do Instagram podem diagnosticar depressão e mudanças comportamentais

Um dos maiores problemas nas redes sociais voltadas para a fotografia é a tendência de publicarmos fotos belas e perfeitas de nós mesmos ou de situações que vivemos. Muitas vezes até manipulando para que o momento pareça ser mais legal do que realmente é. Pesquisadores das universidades Harvard e Vermont, nos Estados Unidos perceberam um padrão nas postagens de usuários com problemas de saúde mental. Segundo eles, observando quais filtros do Instagram a pessoa usa, é possível dizer como ela está se sentindo.

O ESTUDO, que ainda está no “prelo” (em processo de revisão por outros pesquisadores para poder ser publicado em um periódico científico) diz que há sim uma relação entre o nível de humor das pessoas e o tipo de filtro usados nas fotos que elas postam. E, vamos combinar, alguns filtros são de fato bem depressivos!

Para chegar a esta conclusão o Instagram de 166 voluntários foram minuciosamente examinados e, depois, essas pessoas responderam a uma série de perguntas sobre suas saúdes mentais e níveis depressivos. Foram examinadas cerca de 44 mil fotos postadas por essas pessoas usando análise de cores e algoritmos de detecção de rostos. No final, eles encontraram um padrão: comparando o questionário com as imagens, aqueles participantes que eram mais saudáveis mentalmente são os que mais usam filtros coloridos e alegres; já os menos saudáveis tendem a usar as colorações mais escuras.

instagram
 O gráfico é bem claro. Ele mostra justamente o padrão de filtros para pessoas mais depressivas!

Os pesquisadores observaram filtros azulados, acinzentados e escuros eram os preferidos de pessoas com indícios de depressão. O filtro chamado “Inkwell“, por exemplo, que deixa fotos em preto e branco é o mais empregado por elas. De acordo com os autores, essas descobertas mostram novas maneira de detectar e diagnosticar pessoas depressivas. Além disso o aplicativo pode ser uma nova forma de detectar os primeiros sinais de problemas como a depressão. E não somente as cores são reveladoras: pode-se suspeitar das mudanças comportamentais, por exemplo, se alguma pessoa que postava muitas selfies começa a diminuir o ritmo de fotos de si mesma e dá espaço para paisagens ou outras imagens. O ato de só olhar o feed também pode despertar sentimentos negativos nos usuários.

Site: revistagalileu / diaestudio
Artigo: Instagram photos reveal predictive markers of depression
Imagens: Reprodução/ osul / artigo