Animais

Pesquisadores identificam nova espécie de sapinho venenoso no Brasil

No final do ano de 2015 foi descoberta uma nova espécie de anfíbio na Serra do Mar em Santa Catarina, Sul do Brasil. Se trata de um sapo pequeno e venenoso que foi descoberto por pesquisadores da Universidade Federal do Paraná e tiveram parte da pesquisa financiada pela Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza, através do projeto realizado pela Mater Natura – Instituto de Estudos Ambientais e ARTIGO PUBLICADO na Revista Internacional e Multidisciplinar de Ciências e Medicina PLOS ONE.

Esse novo sapinho foi batizado com o nome de Melanophryniscus biancae em homenagem a uma pesquisadora que fez parte do estudo. Esse pequeno sapo que mede aproximadamente 1 cm a 2,5 cm possui a pele escura com verrugas e certos espinhos pelo corpo onde acumulam substâncias químicas tóxicas devido sua alimentação baseada em formigas e ácaros, por isso os seus predadores devem tomar cuidado, principalmente as cobras.


Infelizmente, essa nova espécie já está ameaçada de extinção tendo em vista o desmatamento da região, queimadas e mineração, ou seja, atividades humanas estão matando a nossa biodiversidade, onde algumas espécies jamais serão conhecidas! Esse sapo vive no alto das montanhas em pequenas poças de águas acumuladas na base das folhas de bromélias terrestres e são vulneráveis a impactos causados pelo homem.

Esse gênero Melanophryniscus pertence à família Bufonidae que são conhecidos como sapos verdadeiros. Essa família pode ser encontrada em todos os continentes, exceto Austrália e Antártida. Todavia, essa nova espécie é endêmica da região do Sul do Brasil, ou seja, só pode ser encontrada lá, especificamente no alto da Serra do Quiriri e em florestas no alto da Serra Queimada, onde se encontra 8% da Mata Atlântica com uma biodiversidade tão rica e talvez desconhecida pelo mundo.

sapinho

Esse pequeno sapo não possui dente e são cobertos de verrugas e glândulas que secretam substâncias tóxicas quando estão estressados para se defender dos predadores ou alguém que queira perturbar sua vida, por isso cuidado! Apesar de sua coloração não chamar muito à atenção, ele pode causar sérios danos devido sua toxicidade, principalmente as cobras. É muito triste saber que essa espécie recém descoberta corre o risco de sumir do planeta, todavia os pesquisadores buscam meios para que sejam protegidos e conservados em seu ambiente natural para garantir sua sobrevivência e maiores estudos!

Site: ciclovivo
Artigos: Three New Species of Phytotelm-Breeding …
Imagens: Reprodução/ journals.plos /

Comentários

Novidades

Topo