Anomalias e doenças

Pensar o tempo todo em sexo pode ser doença grave





Gostar e pensar em sexo é um comportamento absolutamente normal e saudável.  Quando uma pessoa tem um acentuado apetite sexual, mas, mesmo assim, tem o controle de sua vida, honra seus compromissos e está feliz, pode ser considerada normal. Pesquisas dizem que o homem pensa em sexo, em média, 35 vezes ao dia. Já a mulher, cerca de 20 vezes. Imagine, agora, quando o pensamento extrapola e não é mais um desejo e sim uma obsessão, desde o despertar até o adormecer. Essa pessoa pode sim ser clinicamente doente de acordo com o Marco Scanavino, responsável pelo Ambulatório de Impulso Sexual Excessivo do Instituto de Psiquiatria (IPq) do Hospital das Clínicas da USP.

Scanavino conta que a Associação de Psiquiatria Americana (APA) alterou o nome do transtorno de “impulso sexual excessivo” para “Transtorno Hipersexual”. “Para ser considerado portador deste transtorno, a pessoa terá de ter pensado muito em sexo nos últimos seis meses, ter tido muitos impulsos sexuais ou ter se comportado com relação ao sexo de maneira que o ato tenha trazido algum tipo de sofrimento para ela”, explica.


Daí, já se pode imaginar que o Transtorno Hipersexual não é uma coisa de fato prazerosa para o portador e sim, uma doença comportamental psiquiátrica que precisa de ajuda médica. Contudo, é uma patologia silenciosa e pouco abordada em função da vergonha que sentem os que são afetados por ela, o que torna o diagnóstico e o tratamento ainda mais difíceis.

Considerar o sexo uma prioridade, a ponto de colocar em risco a própria vida, o trabalho ou a saúde de outras pessoas, é considerado um distúrbio.

Considerar o sexo uma prioridade, a ponto de colocar em risco a própria vida, o trabalho ou a saúde de outras pessoas, é considerado um distúrbio.

A sexóloga e médica Jaqueline Brendler, especialista em transtornos sexuais conta que nesse quadro clínico, a pessoa persistente e recorrentemente envolve-se ou apresenta preocupação com intensas fantasias ou comportamentos sexuais que levam a consequências negativas, com dificuldade em controlar o tempo investido nessas atividades.  “O doente apresenta angústia pessoal e prejuízo em algumas áreas importantes da vida, sobretudo em seus relacionamentos amorosos. Em outras palavras, a sexualidade se torna o centro da vida da pessoa, causando sofrimento pessoal e consequências negativas”, explica a sexóloga.

O diagnóstico é feito no consultório médico pelos relatos do próprio paciente. O tratamento inclui medicação e terapia.

Lesão na cabeça

Curiosamente, o Transtorno Hipersexual  pode surgir após uma lesão – cerebral – diencefálica e/ou do lobo medial-basal-frontal. Foi o que sugeriu um estudo publicado no Journal Neurology, Neurosurgery & Psychiatry onde os médicos estudaram casos de quatro pacientes que desenvolveram compulsão por sexo depois de ter sofrido acidentes com lesões na cabeça.

Fonte: clicrbs/ estadao/
Artigo: Hypersexuality or altered sexual...
Imagens: Reprodução/ bohemianstardust/ starguideswilderness
Comentários

Novidades

Topo