Estudos sugerem que mudanças climáticas podem levar os ruivos à “extinção”

Segundo estudos, o baixíssimo índice de ruivos pelo mundo (cerca de 2% da população) se deve a uma mutação do gene no norte europeu há milhares de anos. Com a mistura da globalização, o gene ficou ainda mais raro, apensar disso, especialistas em genética dizem que o gene não irá desaparecer e, no máximo, ficará inativo por algumas gerações.

No entanto, agora, uma novidade que era considerada improvável começa a preocupar a comunidade científica: é possível que as mudanças climáticas, ou seja, o aquecimento global, possa influenciar no desaparecimento definitivo das pessoas ruivas. O que os especialistas acreditam é que a mutação do gene recessivo que causa cabelos ruivos e pele clara deriva da baixa luminosidade do ambiente onde a pessoa vive, o que faz com que ela produza grandes quantidades de vitamina D. Daí a explicação, segundo especialistas, do que porquê de existirem tão poucas pessoas ruivas no mundo.

Então, de acordo com o que está previsto em termos de mudanças ambientais, haverá mais dias ensolarados cada vez menos nuvens no céu, causando impacto direto no gene recessivo. Se isso realmente acontecer, será cada vez menor a quantidade de pessoas que carregarão o código genético responsável pelo fenótipo ruivo. Além da disso, e pela mesma razão, muitos especialistas acreditam que os olhos azuis também entrariam em extinção nesse futuro de dias mais claros e ensolarados.

Dr Alistair Moffat, diretor da Galashiels-based ScotlandsDNA, argumenta que ser ruivo é uma vantagem em alguns lugares do mundo. “Nós achamos que os ruivos que existem na Escócia, na Irlanda e no Norte da Inglaterra estão lá por adaptação ao clima e que a razão para a pele clara e cabelo vermelho é que nestes lugares não existe muito sol e as pessoas precisam obter toda a vitamina D que puderem”, completa. Moffat ainda diz que se o clima está mudando, seja ele para mais ou menos claridade, irá com certeza afetar o gene ruivo. Ou seja, se realmente a previsão climática está certa para as próximas centenas de anos, teremos mais sol e por isso, teremos realmente menos pessoas transportando estes genes.

N0VkfoY

Para ter um filho ruivo, é necessário que ambos os pais possuam uma das cinco variações do gene recessivo MC1R e as transmitam para o herdeiro. Caso só um dos pais apresente a variação, existe a possibilidade de nascer um bebê que, apesar de loiro ou moreno, seria portador do gene variante, podendo gerar um netinho ruivo se casado com outra portadora.

Fonte: independent/ oglobo/ mundoestranho
Imagens: Reprodução/ muitointeressante/inquisitr