Comportamento

Empresa paga 25 dólares por semana para funcionários que dormirem sete horas por dia



A seguradora americana Aetna está recompensando os funcionários que dormem pelo menos sete horas por noite. Quem participa desse projeto pode ganhar 25 dólares por 20 noites em que dormir pelo menos sete horas, chegando até 300 dólares por ano.

O controle das horas de sono é feito automaticamente, por meio de um monitor de pulso que os funcionários utilizam e que se conecta à rede da Aetna. Os empregados podem registrar eles próprios as horas de sono. Isso que é confiança! Segundo os diretores da empresa, o que importa é estimular que os funcionários durmam melhor.


O compromisso da Aetna em garantir que seus funcionários durmam o suficiente surge de estudos que alertam que a falta de sono pode afetar de forma significativa a capacidade de trabalho.

De acordo com a American of Sleep Medicine, nos EUA o trabalhador perde 11,3 dias de trabalho ou 2.280 dólares de produtividade por ano por falta de sono ou sono irregular. Isso equivale a uma perda anual de US$ 63,2 bilhões à economia americana. Na Europa isso também é um problema: funcionários que dormem menos de sete horas por noite tem uma perda de produtividade maior comparado àqueles que dormem mais. Pesquisadores da Universidade da Califórnia em San Francisco demonstraram que quem dorme menos de seis horas por noite tem 4 vezes mais chances de pegar uma gripe.

fabiana-dorme-no-quarto-do-lider-1312-1330616419836_956x500

O mundo está incentivando pessoas e funcionários a dormirem melhor. Trabalhar com sono é mais difícil, pois tomar decisões é mais difícil, ser produtivo é mais fácil quando se tem uma boa noite de sono. O sono é importante para a clareza de pensamento, elaboração de ideias criativas e pensamento crítico.

Com certeza você já ouviu falar de pessoas que se saem super bem no trabalho ou estudo dormindo pouco. Isso pode ser explicado pela genética. Pessoas que tem determinados genes dormem pouco e tem alta produtividade.

Fonte: bbc
Imagens: Reprodução/ menshealth/ televisao
Comentários

Novidades

Topo
error: Sinto muito! Conteúdo protegido.