Animais

Vespas parasitas se utilizam de vírus para transformar joaninhas em guarda-costas

Vespas parasitas se utilizam de vírus para transformar joaninhas em guarda-costas
Esse texto foi útil para você?

Parasitas têm a capacidade de alterar a biologia dos seus hospedeiros de muitas maneiras para melhorar a sua própria aptidão. Essas manipulações comportamentais podem favorecer a conclusão do ciclo de vida do parasita, tornar hospedeiros intermediários mais suscetíveis a predação por hospedeiros definitivos, induzir o hospedeiro parasitado a se deslocar por habitats adequados para o parasita e/ou a sua prole, aumentar o apetite de vetores em caso de transmissão vetorial, e fazer o parasitado oferecer ao parasita proteção contra fatores abióticos ou bióticos, uma condição onde o parasitado se torna guarda-costas do parasita.

A vespa parasitoide Dinocampus coccinellae põe seus ovos no interior da joaninha Coleomegilla maculata. Vinte dias depois, uma única larva eclode e tece um casulo entre as pernas da joaninha, que está paralisada e apresenta apenas espasmos musculares involuntários e comportamento agressivo de defesa caso algum predador da vespa apareça. Ao longo da fase de pupa, o hospedeiro permanece vivo e posicionado na parte superior do casulo do parasitoide, servindo como um guarda-costas.


Depois de uma semana, o parasitoide adulto emerge do casulo. Algumas joaninhas conseguem se recuperar da paralisia, retomar a alimentação normal, podendo até se reproduzir. Até então, acreditava-se que ao injetar os ovos, a vespa secretava junto proteínas capazes de alterar a defesa imunológica e o desenvolvimento do hospedeiro.

Dinocampus_coccinellae007

Em pesquisas recentes, foi encontrado, na cabeça das joaninhas parasitadas, o vírus que seria o responsável pelo comportamento guarda-costas, apelidado de DcPV (Dinocampus coccinellae Paralisys Virus). Dado o atraso entre a oviposição pela vespa e o início do comportamento guarda-costas na joaninha, após este já não estar mais em contato com a vespa adulta para ser manipulada por esta, a hipótese é que seria o vírus trabalha em simbiose com a larva, já que este infecta o tecido nervoso do hospedeiro coccinelídeo, participando assim no comportamento de manipulação.                Os resultados sugerem que as mudanças de comportamento na joaninha resultam da replicação viral de DcPV nos ganglios cerebrais do hospedeiro e não por uma manipulação direta pela vespa parasita. Isto oferece perspectivas para estimular a pesquisa sobre a manipulação parasitária sugerindo, pela primeira vez que a manipulação comportamento pode ser mediada por simbiontes.

Fontes: 
Artigo/  ‘Who is the puppet master? Replication of a parasitic wasp-associated virus correlates with host behaviour manipulation”  
  Site/iflscience    
Imagens: Reprodução/

Comentários

Novidades

Topo