Comportamento

Pesquisa mostra que o Facebook tem efeito semelhante ao da cocaína no cérebro

Pesquisa mostra que o Facebook tem efeito semelhante ao da cocaína no cérebro
Esse texto foi útil para você?

Realmente é intrigante os efeitos do Facebook na rotina diária das pessoas. Mas, por que será que algumas pessoas são tão viciadas nesta rede social? Para responder a essa pergunta pesquisadores da Universidade da Califórnia realizaram um estudo com 20 estudantes e a conclusão final foi: O efeito do Facebook no cérebro é parecido com o da cocaína.

A pesquisa, cujos resultados foram publicados na Psychological Reports, realizou um monitoramento cerebral de 20 estudantes voluntários enquanto eles olhavam para uma série de imagens. Durante o experimento, os alunos precisavam pressionar um determinado botão sempre que vissem imagens relacionadas à rede social e outro quando viam sinais de trânsito. Um questionário relatando sintomas relacionados ao vício enquanto usavam o Facebook.


Ao analisar os resultados, os participantes de relataram sintomas de vício no questionário, foram os mesmos que responderam mais rapidamente aos estímulos do Facebook do que aos sinais de trânsito. Segundo Ofir Turel, pesquisador da California State University, isso é motivo para preocupação, uma vez que, comprova que as pessoas podem reagir mais rapidamente aos estímulos da rede social, do que aos sinais de trânsito, se estiverem dirigindo.

vicio-no-facebook

Mas o que mais surpreendeu a equipe de pesquisadores foi que ao monitorar o cérebro dos voluntários, perceberam que quando eles visualizavam as imagens relacionadas ao Facebook, ativavam as áreas da amígdala cerebelosa e do corpo estriado. A amígdala é uma estrutura cerebral altamente implicada na manifestação de reações emocionais e na aprendizagem de conteúdo emocionalmente relevante. Já o estriado está associado a emoções e no processamento e antecipação de recompensas. Estas duas áreas cerebrais são ativadas da mesma forma quando uma pessoa faz uso de cocaína.

Ao que parece, os vícios relacionados ao uso de tecnologias têm os mesmos mecanismos naturais que os das drogas. Contudo, o sistema inibitório, também envolvido no vício em drogas, não parece ter sido afetado com o uso da rede social e, portanto, é mais fácil deixar de usar o Facebook do que deixar de usar cocaína.

Fonte: zap.aeiou/telegraphncbi    
Imagens: Reprodução/facebookentrar/ cinegnose

Comentários

Novidades

Topo