Mulher engravida através de relação anal e choca médicos. Veja como aconteceu!

Até o momento, tudo que você pensou sobre gravidez através de penetração anal, foi que esta prática é impossível. Isso porque, não existe nenhuma relação do ânus com a vagina.  Uma possível gravidez só pode ocorrer quando o esperma entra pelo canal genital no corpo da mulher, certo?

Bem, de acordo com a afirmação do urologista Brian Steixner, do Jersey Urology Group, de Atlantic City, nos Estados Unidos, engravidar através de sexo anal é uma realidade. Segundo médico, ele atendeu uma paciente que nasceu com uma malformação congênita rara conhecida como “malformação cloacal” que acomete um a cada 50 mil nascimentos de meninas. Logo no início da gestação dessas meninas, a uretra, o reto e a vagina se mantém juntos, em apenas um canal, ou seja, não há a separação dessas estruturas em tubos distintos. Por causa do problema, a urina e as fezes são eliminadas pela mesma abertura no períneo, localizada normalmente onde estaria o ânus.

Quando meninas nascem com “malformação cloacal” somente um procedimento cirúrgico é capaz de construir os três canais diferentes, ou seja, dar ao bebê a função normal do intestino, controle da bexiga e função sexual e reprodutiva normal. A paciente de Dr. Steixner passou por tal procedimento quando era jovem, no entanto, a cirurgia teria falhado em decorrência de um erro médico ou a formação de uma fístula, fazendo com que útero e reto se mantivessem ligados.

ilustracao-mostra-diferenca-entre-anatomia-de-uma-mulher-normal-com-tres-canais-e-a-malformacao-em-que-ha-apen
Logo no início da gestação dessas meninas, a uretra, o reto e a vagina se mantém juntos, em apenas um canal, ou seja, não há a separação dessas estruturas em tubos distintos.

A moça, que menstruou pelo ânus durante toda a vida, nunca conseguiu ter relações com penetração vaginal, isso porque, seu canal genital se tornou um “beco sem saída”. Assim, fica claro que, o sêmen encontrou o caminho dos ovários mesmo tendo sido despejado no ânus. O parto, por razões óbvias, foi uma  cesariana.

Fonte: jornalcienciadailymail/  mulher.uolbolsademulher
 Imagens: Reprodução/dailymail/ guiadobebe/