Comportamento

Homem usou droga sintética e cometeu uma atrocidade: Ele matou e comeu um cachorro





Michael Daniel, 22 anos, é acusado de pegar um cachorro de estimação dos seus vizinhos de cerca de 15 kg que estava em frente a uma casa, agredir e estrangular o animal. Em seguida, ele “começou a morder o cão, arrancando pedaços de carne“, disse o sargento Patrick Swanton. Quando os policiais chegaram, Daniel tinha “sangue e pelos ao redor da boca“, completou.

Esse acontecimento chamou a atenção de médicos e das autoridades americanas. Daniel fez uso de uma droga sintética que funciona como  “um crack piorado”. Segundo o médico diretor do Centro de Assistência Toxicológica (Ceatox) do Hospital de Clínicas de São Paulo, o efeito dessas drogas é muito grave porque torna a pessoa literalmente um monstro. Não é nem um animal, é um monstro, porque ela não tem como controlar suas emoções nem sua força.


Daniel disse às autoridades que havia consumido “maconha sintética”, mas, há suspeitas de que ele fez uso de “sais-de-banho-de-zumbi”. A maconha sintética é chamada assim porque é uma erva, só que ela é cultivada e depois acrescentada com substâncias bem mais fortes. Os sais de banho são chamados assim porque a droga tem sido comercializada dessa forma, é vendida em pacotinhos e, quando você abre, parece sabonete em pó.

2405202-8445-rec

Os especialistas acreditam que os efeitos das novas drogas sintéticas seriam muito piores do que os do crack para a sociedade. “Não se pode deixar essas drogas chegarem ao mercado“, disse Dr. Antony Wong. “Elas têm efeito muito mais devastador do que o crack, porque (…) as pessoas que usam crack eventualmente tornam-se violentas por questão de dinheiro. Agora, nesse caso de usar substâncias sintéticas, a violência é absolutamente gratuita, não tem nenhuma motivação“, afirmou ele.

O fato, ocorrido em 2012, ainda repercute, pois a droga em questão continua sendo distribuída clandestinamente, principalmente nos EUA.

Fonte: terranoticias   Imagens: Reprodução/clickpb/ articles
Comentários

Novidades

Topo