Curiosidades

Grito de socorro eficiente: planta secreta ‘néctar’ em busca de ajuda

Grito de socorro eficiente: planta secreta ‘néctar’ em busca de ajuda
Esse texto foi útil para você?

Ao serem feridas, plantas e animais geralmente secretam substancias para fechar o machucado e evitar infecções. No entanto, as feridas infligidas por herbívoros em erva-moura (Solanum dulcamara) parecem não fechar completamente, produzindo secreções açucaradas visível como gotículas.

Recentemente, cientistas descobriram uma planta que não segue o padrão de cicatrização. A erva-moura, em vez de selar o ferimento, libera gotas de um líquido incomum a partir da ferida. Ao ser danificada por herbívoros, secreta uma substancia doce, como néctar, a partir das bordas do ferimento. A pesquisa foi publica na revista Nature Plants em abril de 2016.


O primeiro pensamento dos pesquisadores seria de que este fluxo é apenas um sangramento comum, onde a planta teria perdido um pouco das soluções açucaradas de seu transporte interno. Através de testes químicos e indução de estresse, foi identificado que a planta secretava a substancia de proposito, mudando a composição química e a quantidade desta a ser secretada.

nestar

A, b = secreção provocada pelas feridas feitas por larvas de lepidópteros (a) e lesmas (b) C, d = Formigas se alimentando nas bordas das feridas provocadas pelos besouros (c) e ingerindo a secreção E = larvas do besouro na haste da planta F = secreções superfície axial foliar G= haste H= pecíolo.

O líquido açucarado é uma espécie de néctar produzido especificamente para atrair insetos que protegem a planta de herbívoros, não sendo aquele encontrado nas flores responsáveis pela atração de polinizadores. Diferente dos outros néctares “de defesa” que são secretados pelo nectário (estrutura celulares capazes de produzir e secretar néctar), o néctar produzido a partir do sangramento é produzido no local da ferida, atraindo ajudantes, neste caso, formigas, que servem como mercenários (pagos pelo açúcar) na luta contra larvas de besouros.

As larvas de besouro para se alimentarem, precisam subir as hastes da planta, que se encontram a meio metro até o tronco. Em seu caminho até os caules, são atacadas pelas formigas, patrulheiras da planta.

Para os cientistas, este é o primeiro exemplo documentado de néctar que atrai um animal para assistente particular que está sendo produzido fora de um nectário. Na verdade, o sangramento de néctar observado pode ser um sistema primitivo, como aqueles que evoluíram em nectários encontrados nas plantas conhecidas de hoje.

Fonte e imagens: Reprodução/ nature. 
[Tobias Lortzing et al, Extrafloral nectar secretion from wounds of Solanum dulcamara]

Comentários

Novidades

Topo