Curiosidades

Estamos ensinando a desvendar as partes do microscópio óptico





O homem tem uma capacidade incrível de criar e dentre as milhares de invenções já feitas pelo homem, o microscópio sem dúvida, deu uma grande força para a ciência. Sendo possível estudar as bactérias, os protistas e outros seres unicelulares e pluricelulares invisíveis a olho nu, sendo alguns deles responsáveis pela maioria das doenças hoje conhecidas.

O microscópio é a junção de duas palavras gregas, que significam “pequeno” e “observar”. É um ótimo instrumento para driblar a limitação da visão humana, podendo ampliar a imagem em até mil vezes. Não se sabe exatamente quem o inventou. Muitos dizem que foi criado por Zacarias Janssen, que presenteou o arquiduque da Áustria em 1590 com um microscópio. Porém muitos nomes são citados na história da microscopia, pois cada um colaborou aperfeiçoando esse incrível instrumento, que sem ele, não teríamos o mesmo conhecimento que temos hoje do “mundo oculto”.


            Os microscópios ópticos atuais têm diversas partes:

  1. As lentes oculares ampliam a imagem real transmitida pelas lentes objetivas, formando assim uma imagem virtual.
  2. O tubo ou canhão suporta as lentes oculares na extremidade superior, e na extremidade inferior, suporta o revólver.
  3. Revolver ou tambor suporta as lentes objetivas e permite trocar a lente objetiva rodando sobre um eixo.
  4. As objetivas são um conjunto de lentes fixas no revolver, que girando permite alterar a objetiva consoante a ampliação necessária. É a lente que fica mais próxima do objeto a observar, projetando uma imagem real, ampliada e invertida do mesmo. As ampliações das objetivas são: 10x, 40x, 50x, 90x ou 100x vezes.
  5. O braço ou coluna fica fixo à base, serve de suporte aos outros elementos.
  6. Platina ou mesa é o local onde se fixa a lâmina a ser observada, possui uma janela por onde passam os raios luminosos e também parafusos dentados que permitem deslocar a preparação.
  7. O condensador com diafragma é constituído por palhetas que podem ser aproximadas ou afastadas do centro através de uma alavanca ou parafuso, permitindo regular a intensidade da luz que incide no campo de visão do microscópio.
  8. A lâmpada embutida é uma luz artificial emitida por uma lâmpada incluída no próprio microscópio com um interruptor e algumas vezes com um reóstato que permite regular a intensidade da luz. Os modelos antigos tinham um espelho de duas faces: a face plana para refletir luz natural e a face côncava para refletir luz artificial.
  9. Pé ou base é uma peça fixa à base, na qual estão aplicadas todas as outras partes constituintes do microscópio.
  10. O parafuso macrométrico permite movimentos verticais de grande amplitude da platina.
  11. O parafuso micrométrico permite movimentos verticais lentos de pequena amplitude da platina, para focagem precisa da imagem.
  12. O charriot é uma peça ligada à platina, que possibilita mover a lâmina, permitindo a melhor centralização da mesma.

microscopio-partes

O microscópio óptico tem um funcionamento simples. Trata-se da junção das lentes oculares e objetivas, mais uma fonte luminosa, que hoje se utiliza uma fonte artificial, porém nos microscópios mais antigos, era usada uma fonte de luz natural, sendo auxiliada por espelhos. A luz atinge o condensador, atravessa o objeto e é conduzida para o canhão de lentes convergentes, formado pela objetiva e a ocular.  Quando o feixe luminoso atinge a lente objetiva, uma imagem intermediária e aumentada do objeto é formada. A lente ocular, então, funciona como uma lupa que amplia e produz a imagem final do material estudado.

imagensmicrosopio

(1) Exemplo de uma lâmina não corada. Em destaque, cristais de ácido úrico na urina. (2) Exemplo de lâmina corada com fuscina. Nafoto, células da cebola.

O importante para uma boa visualização também, é a preparação da lâmina de forma correta. É necessário, para alguns materiais, a utilização de corantes, que tem a função de se ligar nas estruturas específicas do material em observação, para a luz atravessar o mesmo e podermos visualizar. Funciona como uma canetinha que contorna o desenho e um lápis de cor que preenche. É importante também um corte bem fino do material (até meio milímetro), para a luz atravessar com facilidade, caso ao contrário a luz não conseguirá atravessar por completo e não será possível a observação clara do material estudado.

Realmente a ciência pôde avançar muito depois da criação desta ferramenta indispensável nos dias de hoje, que conseguiu desvendar o mistério do mundo no nível celular, sendo até usado no símbolo da biomedicina.

Fontes: dsif.feeportaleducacaoprolab/ 
Imagens: Reprodução/ autoria do autor: Lucas Moura/ dnaeoutrascoisas]/ ciencias1secunivia/
Comentários

Novidades

Topo