Comportamento

‘Doença da beleza’ tem afetado muitas mulheres, mas poucas sabem que são doentes

O problema da dismorfia corporal nunca tinha sido muito comentado até que a jornalista Daiana Garbin, esposa do apresentador Tiago Leifert, surpreendeu muita gente ao divulgar que sofria desse distúrbio psicológico.

A síndrome da distorção da imagem, também chamada de dismorfobia ou transtorno dismórfico corporal, ou popularmente “doença da beleza” é uma espécie de um transtorno psicológico caracterizado pela preocupação obsessiva com algum defeito corporal, seja ele real ou não. São pensamentos que chegam a ser delirantes, no qual o indivíduo tem rituais obsessivos como se olhar no espelho buscando defeitos. De acordo com a psicóloga Flávia Freitas, a opinião do portador a respeito de sua própria aparência é totalmente diferente da opinião geral das pessoas. É uma discrepância entre aquilo que a pessoa acredita ser (em termos de imagem corporal) e aquilo que realmente é.


Por não corresponder aos padrões de beleza impostos muitas pessoas desenvolvem esse transtorno. Estar um pouco acima do peso, ter pernas mais grossas e contornos mais volumosos acabam gerando “complexos exagerados” induzindo a pessoa a seguir a “ditadura da beleza” sacrificando sua própria saúde. Quem apresenta esse transtorno transforma uma simples característica, como uma pintura, em um “defeito imaginário” e imaginável.

No entanto, é importante saber que nem toda insatisfação com o corpo significa que a pessoa tem um transtorno do tipo. A sociedade atual, com a sua valorização e culto à magreza, fazendo da obesidade uma condição altamente estigmatizada e rejeitada, tem levado a maioria das pessoas à busca frenética do ‘corpo ideal’. A psicóloga explica que é corriqueiro que mulheres não gostem 100% de seus corpos, e, agora, esse fervor pela magreza e temor à obesidade pode, de modo geral, criar distorções e insatisfações seguidas de comportamentos que proporcionam maiores riscos ao desenvolvimento de transtornos, principalmente os alimentares.

A jornalista Daiana Garbin, esposa do apresentador Tiago Leifert revelou que sofre deste transtorno e que tem sofrido a vida inteira por isso.

A jornalista Daiana Garbin, esposa do apresentador Tiago Leifert revelou que sofre deste transtorno e que tem sofrido a vida inteira por isso.

O exemplo do depoimento da esposa de Tiago Leifert mostra que desde os cinco anos de idade se sente desta forma e que sempre disse para todas as pessoas que foi uma criança e uma adolescente gorda.

Descobri o meu transtorno há um ano observando essas fotos. Eu sempre falei que tinha sido uma criança gorda, uma adolescente gorda. Minha psicóloga pediu para eu levar minhas fotos de criança para a próxima sessão. Quando eu olhei essas fotos e descobri que eu nunca fui uma criança gorda foi uma descoberta. Percebemos que havia um transtorno. É um sofrimento, porque não é só um excesso de vaidade. Às vezes, não conseguia sair de casa, algumas vezes não fui trabalhar, porque eu não consegui achar uma roupa e sentia vergonha do que as pessoas iam olhar e pensar. É um sentimento que paralisa você“, desabafou no programa Encontro.

Daiana ainda disse que por muito tempo ela mesma duvidou que fosse algo sério. “Pensei que eu era fútil, que era coisa de adolescente e que ia passar. Mas não passou. Já tenho 34 anos. Já tomei vários remédios para emagrecer, já tentei ser anoréxica, já fiz lipoaspiração três vezes e continuo me achando gorda. Continua sendo uma batalha todos os dias colocar uma roupa e sair de casa. Vocês quase sempre vão me ver de preto, nunca vão me ver de braço de fora. Parece engraçado para quem olha de fora, mas ninguém entende o tamanho do sofrimento. Eu sei como é não conseguir sair de casa de manhã para trabalhar porque você está se sentindo gorda e feia, com medo do que as pessoas vão pensar ao te ver“, disse.

Fonte: infoescolabolsademulhergente.igminhavida/       Imagens: Reprodução/bolsademulherconceitusdebeleza

Acesse nosso novo site! data-recalc-dims=

Novidades

Topo