Animais

Cirurgiões veterinários se mobilizam para implantar marca-passo em uma cachorrinha que estava desenganada



A cachorrinha Vida, da raça schnauzer estava causando muita preocupação para sua dona. Por causa de uma grave cardiopatia, Vida tinha desmaios frequentes o que fazia com que sua dona precisasse monitorar seus passos o tempo todo. “Ela começou do nada a cair. Ela caía, abria as perninhas, ficava no chão ou então em outro momento caía de lado. A gente começou a se preocupar, né”, disse Ana Maria, a dona.

O tratamento com medicação não surtiu efeito e o veterinário avisou que a vida da cachorrinha só poderia se prolongar se ela passasse a usar um marca-passo que é semelhante ao colocado em seres humanos. “Quando a parte elétrica do coração que manda os impulsos elétricos fica doente e, se você perde esse nodo sinusal, o coração perde a capacidade de contrair”, diz o veterinário cardiologista Juliano Evangelho. O marca-passo, assim como acontece com humanos, tem a função de regular o ritmo cardíaco através de impulsos elétricos.


O uso de marca-passo em cães não é novidade e vários países já fazem uso deste recurso para tratar cardiopatias caninas. A cirurgia de Vida mobilizou uma equipe inteira que viajou de São Paulo para Porto Alegre para o procedimento. Depois da cirurgia, a Vida ficou internada por apenas dois dias. Após um mês, ela voltou para a clínica para o veterinário analisar se o marca-passo está funcionando corretamente. O monitoramento é o mesmo feito com humanos que possuem o aparelho.

Marca-passo responde por 88% da atividade cardíaca do animal

Marca-passo responde por 88% da atividade cardíaca do animal

Segundo o veterinário que acompanha Vida, o marca-passo está funcionando em 88% do tempo. Nos outros 12%, é o coração dela que está funcionando. Se não fosse o uso do marca-passo, provavelmente a Vida estaria muito ruim, ou provavelmente, já teria morrido.

O marca-passo deve durar sete anos até precisar ser substituído. Até lá vida só trará alegria para sua família.

Fonte: g1.globo  
 Imagem: Reprodução/  g1.globo/ gazetadopovo/
Comentários

Novidades

Topo
error: Sinto muito! Conteúdo protegido.