Animais comem uns aos outros para sobreviverem em zoológico abandonado no Iêmen. Imagens fortes!

O Rei da Selva, denominação do leão, costuma passar uma imagem de vigor. Mas no caso do zoológico de Taiz, sul do Iêmen, ele e outros animais, como leopardos, foram esquecidos e não recebem alimentação há meses. O estado deplorável em que se encontram as espécies se justifica, basicamente, pela guerra civil em que se encontra o país desde o ano passado, deixando 82% de sua população sob demanda de algum tipo de ajuda humanitária (segundo dados da ONU). Por conta disso os animais ficaram abandonados no zoológico vazio.

Famintos, os bichos começaram a comer uns aos outros e até a se automutilar para sobreviverem. A morte ronda cerca de 280 deles, e o canibalismo se tornou uma solução bárbara encontrada pelo instinto animal. A situação do zoo revela os limites da natureza selvagem: um leopardo macho comeu sua companheira na jaula.

A triste situação, porém, mobilizou uma campanha pelo Facebook, em nome de Taiz Zoo para que alguns desses animais sejam salvos, são 20 leões e 26 leopardos árabes raros. Espécie em extinção, o leopardo árabe vive a ironia de se extinguir não pela caça predatória ou pela mudança climática, mas simplesmente pelo abandono, sem nenhuma contrapartida pela perda de sua liberdade.

zooiemen2

Nos últimos cinco meses, 11 leões e seis leopardos já morreram. Chantal um dos funcionários do parque disse que o zoológico está fazendo um balanço de quanta comida e água são necessárias. Entre os felinos que agonizam também estão linces e hienas. Mas outras famílias de mamíferos também estão sendo corroídas pela fome, como órix (antílope), cobras, crocodilos, babuínos, corujas, papagaios, emas, falcões e até mesmo abutres.

zooiemen1

zooiemen3

zooiemen5

zooiemen4

Fonte: ipuonlinetribunahojetraveller24ciclovivo/ extra    Imagens: ciclovivo/ extra /ipuonline