Sua saúde

O leitor quer saber: Se os bebês não podem falar, como é feito o exame de vista nesta idade?

“Vejo muitos vídeos de bebês que tem miopia e usam óculos pela primeira vez e conseguem enxergar melhor, mas como que é feito o diagnóstico se os bebês não podem falar no exame se estão boas ou ruins as lentes?” (Luiza)

Boa pergunta Luiza! Um exame oftalmológico bem realizado é fundamental para que doenças na visão sejam identificadas precocemente, onde o tratamento e muitas vezes a cura ainda é possível. Muitos pais ainda não sabem, mas o primeiro exame oftalmológico deve ser realizado ao nascer, isso mesmo, o pediatra mesmo não sendo um especialista já pode e deve realizar os primeiros exames na visão do bebê e percebendo alguma alteração ou anormalidade encaminhá-lo a um especialista, no caso um oftalmologista.

O primeiro exame realizado no bebê quando acaba de nascer é o Teste do olhinho ou Teste do Reflexo Vermelho que por sinal é Lei em vários municípios brasileiros e pode ser realizado no Sistema Único de Saúde (SUS) na maioria das maternidades do país. O teste baseia-se na percepção do reflexo vermelho que aparece ao ser incidido um feixe de luz sob a superfície da retina e o equipamento utilizado é um oftalmoscópio direto. Este exame pode identificar várias doenças graves na visão do bebê, como: catarata, glaucoma congênito severo, opacidades de meios, tumores intra-oculares, inflamações e hemorragias.

Além de exames externos, histórico familiar, inspeção das pupilas e a medida da acuidade visual (a capacidade do olho em reconhecer dois pontos muito próximos) é necessário quantificar a visão em crianças com menos de três anos de idade e nesta etapa da vida, onde os bebês não podem informar ao oftalmologista o quanto estão enxergando podem ser realizados exames como: O Teste de Teller, Potencial Visual Evocado, Potencial Evocado de Varredura, entre outros.

WCPO_Piper_Verdusco3_1437617530190_21919186_ver1

O Teste de Teller se baseia em utilizar cartões com listras brancas e pretas feitas sob rigor técnico onde o contraste é sempre o mesmo e obedece a um cálculo matemático denominado “ciclo por centímetro”. Sua finalidade é verificar a observação dos bebês que tendem a olhar mais para uma tela com listras pretas e brancas do que para uma superfície homogênea. Entre 3 e 5 anos de idade, o melhor método é testar a visão com optotipos isolados (figuras cuja finalidade é medir a acuidade visual) ou identificação de figuras. Entre 5 e sete anos o melhor teste será o Teste “E” de Snellen, onde a criança deve indicar com a mão para onde estão direcionadas as “perninhas” da letra “E”, o teste pode ser realizado com os dois olhos abertos e um de cada vez. Após os 7 anos de idade, pode medir a acuidade visual conforme realizado em adultos, com as letras.

É claro que todo e qualquer exame deve ser realizado por um especialista na área, um oftalmologista experiente, pois o resultado do exame deve ser interpretado com clareza e precisão, já que os bebês não podem falar e informar sobre sua visão. Outros exames também podem ser realizados para identificar outras patologias, como: exame de motilidade ocular para identificação de estrabismo, o exame de refração para ajudar na prescrição dos óculos, a Fundoscopia, um exame fundamental para identificação de tumores como um retinoblastoma que se verificado precocemente poderá ser tratado e possui altas chances de cura. E por último, também pode ser realizado uma Tonometria e verificar a pressão do olho para diagnosticar o glaucoma.

A Sociedade Brasileira de Oftalmologia Pediátrica (SBOP) sugere que o exame ocular completo nos bebês deve ser realizado a cada 6 meses durante os dois primeiros anos de vida, e após, todos os anos até os 7 ou 9 anos de idade, dependendo das possíveis ocorrências verificadas pelo oftalmologista.

Fontes: sbopoftalmopediatriaportaldaretinascielo    Imagens: Reprodução/queminova/ wcpo
Comentários

Novidades

Topo