Anomalias e doenças

Esta mulher ficou em coma e teve perda de memória severa depois de usar absorvente interno





Deborah Usher, 27 anos, quase morreu depois de ter uma infecção bacteriana rara causada pelo uso de absorvente interno. Ela começou a sentir sintomas de uma forte gripe que do nada se agravou muito. No hospital, os médicos diagnosticaram com síndrome do choque tóxico. A situação de Deborah era tão grave que ela precisou ser colocada em coma induzido para tratamento. Por duas vezes, os médicos tentaram acorda-la e não tiveram sucesso, por isso, sua família foi avisada de que ela poderia morrer a qualquer momento.

Assim que ela conseguiu recuperar a consciência, passou a agir feito criança. Era incapaz de incapaz de falar, andar, lavar ou vestir-se e se quer conseguia se lembrar dos membros de sua família. Além disso, teve perda de memória severa, não tendo nenhuma recordação de eventos ao lado de Josué, seu filho de oito anos de idade.  Depois de quatro anos, ela reaprendeu a andar, e sua memória está voltando aos poucos.


absorvente-interno-duvidas-como-colocar

Síndrome do choque tóxico

A SCT é causada por toxinas de bactérias, como Staphylococcus aureus e Streptococcus pyogenes, que desencadeiam uma resposta inflamatória. Apenas algumas estirpes de bactérias produzem toxinas, como no caso da SCT, e suas toxinas são prejudiciais apenas para pessoas que não possuem anticorpos para combatê-las. O grupo mais susceptível são mulheres jovens, justamente porque a síndrome associa-se a ausência de anticorpos, que são geralmente produzidos apenas no decorrer da vida. Há indícios de que a doença tem o absorvente interno como um dos principais vilões, podendo também estar associada a feridas cirúrgicas, partos recentes, infecções da pele ou queimaduras.

Os sintomas iniciais são semelhantes a gripe: febre alta, calafrios, vômitos, diarreia, vermelhidões (pele, olhos, boca e garganta), dores (musculares, articulares, de cabeça e de garganta), confusão, hipotensão, fotossensibilidade, desmaio, dentre outros. Evoluindo rapidamente, a doença pode levar ainda ao coma e até a morte!

Fonte: Dailymail/ diariodebiologia    Imagens: bolsademulher/Dailymail
Comentários

Novidades

Topo