Curiosidades

Você sonha com um corpo perfeito? Transtorno obsessivo está desencadeando quadros graves de anorexia reversa nas pessoas

Você sonha com um corpo perfeito? Transtorno obsessivo está desencadeando quadros graves de anorexia reversa nas pessoas
Esse texto foi útil para você?

Apesar do grande sedentarismo que assola a sociedade atual, sabe-se que os exercícios físicos possuem inúmeras vantagens para nossa saúde e são essenciais para pessoas de todas as idades. Exercitar-se pelo menos 30 minutos ao dia, com práticas simples como uma caminhada, pode trazer inúmeras vantagens, ajudando na perda ou manutenção de peso (evitando a obesidade), reforçando a musculatura, prevenindo doenças, melhorando a circulação sanguínea e ajudando na saúde mental (ao liberar endorfinas, substância responsável por proporcionar bem-estar).

No entanto, assim como a falta de exercícios físicos é prejudicial, seu excesso, na busca pelo corpo perfeito, também pode ser. É o caso de pessoas que sofrem de vigorexia: um distúrbio de ansiedade caracterizado pela incompatibilidade entre a visão que uma pessoa têm sobre o seu corpo, e o real corpo que possui, causando constante insatisfação. A vigorexia não atoa é também chamada de “anorexia reversa”: a anorexia é um distúrbio semelhante, em que a pessoa busca compulsivamente por um modelo de um corpo ideal, magro, e para isso realiza exageradamente exercícios, dietas e uso de medicações, provocando inclusive vômitos para não engordar. No caso da vigorexia, o que muda de fato é que, ao invés de um corpo magro, a obsessão é por músculos!




Na sociedade contemporânea, uma imagem de corpo musculoso, sem gorduras, com formas padrões definidas (os ditos “marombados”) é vendido como o modelo ideal. Quem nunca percebeu a exaltação de um físico escultural em propagandas, filmes, novelas…? Uma série de políticas que controlam e normalizam um determinado tipo de corpo, muitas vezes nem se quer são percebidas por nós, mas nos levam a relacionar esse padrão de corpo “perfeito” como um mérito, uma demonstração de esforço, de poder, de sedução, fazendo com que muitas pessoas desejem obtê-lo doentiamente, e as que não aproximam-se desse corpo, muitas vezes, se sentem fora dos padrões, se culpabilizando. É esse tipo de pensamento que faz com que pessoas desenvolvam a vigorexia, fazendo com que muitas delas fiquem tão deprimidas por não obterem o corpo que almejam, a ponto de tentarem suicídio! E não adianta elas chegarem a uma determinada meta, pois a insatisfação será constante: por mais que consigam músculos de um fisiculturista, quem sofre com vigorexia jamais estará satisfeito! Assim, cada vez serão colocadas metas maiores a atingir, e a insatisfação com o corpo só tende a piorar com o tempo. O desequilíbrio emocional pode ser tão grande que a pessoa buscará o isolamento, abrindo mão da vida e dos relacionamentos sociais.

Vigorexia



Mas qual a origem desse distúrbio? Ainda não se sabe ao certo, especialistas acreditam que pode haver causas genéticas e neuroquímicas, além de traumas relacionados a bowling de colegas na infância. E como é de se esperar, pessoas com esse distúrbio tendem a utilizar anabolizantes (substâncias químicas produzidas a partir do hormônio masculino testosterona) para ficarem cada vez “maiores”, o que pode acarretar vários problemas sexuais, cardiovasculares, comportamentais, hormonais, dentre outros. Por todos esses problemas e riscos, pessoas com vigorexia precisam de tratamento psicológico, mas muitas vezes nem se quer sabem que possuem um distúrbio. Por isso, se você é viciado em academias, cuidado: reflita se não está cometendo exageros e, principalmente,  pense sobre qual é o seu objetivo em seus treinos, pois, em tempos em que imagens de perfeição são tão difundidas, é preciso ter cuidado para não esquecer que seu corpo não é uma máquina…

vigorexia



 

Fontes: brasilescola/brasilescola2/uniaosaude/bbc/ TEIXEIRA, F. L. S. O corpo belo como forma de poder: cartografando a biopolítica da beleza em foucault. Dissertação (Mestrado em Estudos Sócio-culturais do Movimento Humano). Universidade de Pernambuco, 2010.    Imagens: minhasaude/top10mais

Clique para comentar

Deixe uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Topo