Animais

Vírus misterioso está transformando estrelas-do-mar em gosma

Vírus misterioso está transformando estrelas-do-mar em gosma
Esse texto foi útil para você?

Desde o final de 2014, uma intrigante epidemia tem afetado o Oceano Pacífico Norte. Milhões de estrelas do mar (cerca de 20 espécies) estão se dissolvendo e sendo encontradas mortas em toda a costa oeste da América do Norte, do México até o sul do Alasca. A doença faz com que esses animais se reduzam a uma gosma gelatinosa em questão de dias.

Os sinais da doença começam com manchas e lesões brancas nos braços das estrelas, que em vez de regenerar seus membros danificados como é de sua natureza, absorve o contaminante para dentro de seu organismo e desintegram os animais em menos de uma semana.


Existiam várias hipóteses para tal fenômeno, como: a radiação emitida por Fukoshima, poluição química, infecções bacterianas e até virais.  Porém, o microbiologista da Universidade de Cornell nos Estados Unidos, Ian Hewson e sua equipe identificou a fonte do problema como um densovírus batizado de SSaDV (Densovírus associado a estrela-do-mar). Este vírus, pertencente à família Parvoviridae, não é novidade na vida marinha. O mesmo já foi observado em 1942 em amostras conservadas de museu. Porém só recentemente está preocupando biólogos marinhos e ecologistas pelas proporções alarmantes que está tomando, tornou-se uma das maiores catástrofes ambientais em larga escala da história. Ainda se estuda se a doença pode infectar outras espécies de equinodermos ou até mesmo moluscos e crustáceos. Observando que, esse vírus não é considerado nocivo à saúde humana.

Mas, se está aí há tanto tempo, por que só agora está se desenvolvendo incontrolavelmente essa doença? Segundo estudiosos do Seattle Aquarium a saúde dos oceanos está se modificando muito junto com as mudanças climáticas. Como? Modificando a química dos oceanos, acidificando a água e ameaçando com isso a calcificação das estruturas marinhas, tornando-as mais vulneráveis a doenças.

estreladissolvendo

Fonte e Imagens: sciencemag/revistagalileu/exame

 


Novidades

Topo