Sibutramina, remédio para emagrecer, está fazendo cada vez mais vítimas. Veja 7 pessoas que podem morrer se fizerem uso deste medicamento

A corrida pelo corpo perfeito tem feito muitas pessoas apelarem para medicamentos que, nem sempre, conseguem os resultados esperados. Um remédio que tem sido comercializado entre os praticantes de musculação de maneira indiscriminada é o sibutramina. Este remédio é um tipo de inibidor de apetite utilizado para pessoas com obesidade mórbida, principalmente quando estas têm dificuldade de emagrecer mesmo sob dieta e fazendo exercícios físicos regulares.

Logo que foi lançado, sua primeira destinação foi como antidepressivo. A sibutramina age no hipotálamo cerebral, o qual também controla a fome no indivíduo. Ele tem como um dos mecanismos de ação o bloqueio da recaptação da serotonina, porém teve melhor atuação na diminuição do apetite, principalmente por passar uma sensação de saciedade com menor consumo de alimentos. Depois que os médicos descobrirem essa função, eles passaram a usar o medicamento somente para tal propósito: emagrecer!

Hoje, no Brasil, a prescrição e venda de Sibutramina está bastante regulada pela Anvisa Para que o paciente compre o medicamento, é necessário que o mesmo assine um termo de responsabilidade, além de apresentar a receita médica. No entanto, por mais restrita que seja a venda do remédio, ainda existe o comércio ilegal, em que é possível comprar o medicamento pela internet sem mostrar a receita médica ou assinar o termo de responsabilidade.

anvisa-sibutramina-thumb

Mas mesmo as pessoas que tomam o remédio com indicação médica estão sujeitas aos seus efeitos colaterais, como problemas psiquiátricos, aversão à comida, anorexia, alucinações, insônia, irritabilidade, agressividade, taquicardia, dor de cabeça, boca seca e náuseas. No entanto, um sete pessoas não deveriam ingerir sibutramina em hipótese alguma.

Pessoas com menos de 16 anos ou mais de 60. Nas pessoas mais velhas, há o risco de problemas cardiovasculares e cerebrovasculares. E nas adolescentes, não há indicação de nenhum medicamento que atue no sistema nervoso central.

Pessoas com histórico de alcoolismo. O álcool potencializa os efeitos da sibutramina. Então se ela te deixa mais lento, te deixará muito mais lento, sem reflexos e desorientado. Isso é umas das complicações que pode causar, a combinação das substâncias pode levar até mesmo à morte ou trazer consequências destrutivas ao cérebro por conta de uma parada cardíaca, derrame ou AVC, mas é claro que tudo depende de uma avaliação médica, para se chegar até uma consequência como esta.

Pessoas com obesidade que tenham outras causas, como hipotireoidismo ou gravidez. Nesses casos é preciso tratar a causa. Um medicamento pode descompensar ainda mais a tireoide ou, no caso das grávidas, ter algum efeito negativo sobre o desenvolvimento neurológico do feto.

Pessoas que tomam antidepressivos. Esses medicamentos, assim como a sibutramina, agem nos neurotransmissores do cérebro. Pode haver uma produção excessiva de serotonina no organismo e com isso causar a Síndrome de Serotonina, o que pode acontecer para pessoas de qualquer idade. Trata-se de um quadro clínico que inclui delírios, ansiedade, diarreia, vômitos, desorientação, tremores e rigidez muscular, entre outros sintomas, que podem levar a pessoa a óbito.

Pessoas com antecedentes de distúrbios alimentares. Quem já teve anorexia ou bulimia, por exemplo, precisa de tratamento com outras técnicas, que não envolvam medicação, especialmente as que reduzem o apetite.

Pessoas hipertensas ou com doenças cardiovasculares. A sibutramina aumenta a pressão e a frequência cardíaca. É extremamente proibido para quem já tem esses problemas.

Pessoas com glaucoma. Qualquer remédio que aumente a pressão intraocular é contraindicado nesses casos.

sibutramina

Fonte: treinomestre/sibutraminabrasil/bolsademulher   Imagens: saudedicas/papodegordo/sibutraminabrasil