Sabia que encontrar fragmentos de pedras, mofos, excrementos, insetos, e outros na sua comida pode estar dentro de uma margem aceitável pela Anvisa?

Sabia que você pode encontrar asas de insetos no seu chocolate e isso ser aceitável? Claro que ninguém quer encontrar pelos de ratos ou larvas em seu alimento, mas segundo a FDA – Food and Drug Administration (a Anvisa americana) esses desagradáveis ingredientes são descritos defeitos naturais e inevitáveis. Outros como pedras, mofos, excrementos, moscas, podridão, areia e até brita também são considerados. A Instituição tem até um manual onde se lista níveis toleráveis de defeitos encontrados em alimentos, pois, segundo eles, é impraticável a colheita e processamento de matérias-primas totalmente livres dessas imperfeições.

Mas não pense que isso é só nos Estados Unidos, não. Em 2014, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária, seguindo as diretrizes americanas e europeias, publicou uma norma, a RDC n. 14/2014, definindo limites tolerados de material estranhos, seja macroscópicos ou microscópicos, em alguns alimentos processados no Brasil.

Segundo essa norma, podemos encontrar no chocolate até 10 fragmentos de insetos (não vetores de doença) por 100 gramas de produto. Molhos de tomates e catchup, 40 partes em 100 gramas; e nos biscoitos e massas 225 fragmentos em 225 gramas de produtos. Eca!

A Anvisa adverte que não é permitida a presença desses fragmentos nos alimentos, mas é aceitável se não colocar em risco a saúde da população. Segundo o especialista em Segurança Alimentar da Universidade da Carolina do Norte, Benjamim Chapman, “Não é realmente um problema de segurança alimentar. […] É útil pensar que essas substâncias são defeitos de qualidade, em vez de contaminantes dos alimentos, que são coisas como pesticidas, metais (como o mercúrio e arsênio) ou substâncias químicas ambientais.”.

A Anvisa adverte que não é permitida a presença desses fragmentos nos alimentos, mas é aceitável se não colocar em risco a saúde da população. Foto: Reprodução/oaltotaquari
A Anvisa adverte que não é permitida a presença desses fragmentos nos alimentos, mas é aceitável se não colocar em risco a saúde da população. Foto: Reprodução/oaltotaquari

Valdecir-Cardoso-de-Siqueira-encontrou-um-inseto-morto-possivelmente-uma-mosca-varejeira-em-mortadela-produzida-por-empresa-de-

Fatores mais preocupantes são as contaminações por microrganismos. Existem mais de 250 tipos de doenças transmitidas por alimentos (DTA) e a maioria são infecções causadas por bactérias e suas toxinas, vírus e parasitas. Mais de 30% da população em países industrializados são afetadas por DTA.

Para compartilhar esse conteúdo, por favor utilize o link http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2014/03/1433155-anvisa-cria-regras-para-sujeira-tolerada-em-alimentos.shtml ou as ferramentas oferecidas na página. Textos, fotos, artes e vídeos da Folha estão protegidos pela legislação brasileira sobre direito autoral. Não reproduza o conteúdo do jornal em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização da Folhapress (pesquisa@folhapress.com.br). As regras têm como objetivo proteger o investimento que a Folha faz na qualidade de seu jornalismo. Se precisa copiar trecho de texto da Folha para uso privado, por favor logue-se como assinante ou cadastrado. Foto: Reprodução/folha
PExistem mais de 250 tipos de doenças transmitidas por alimentos (DTA) e a maioria são infecções causadas por bactérias e suas toxinas, vírus e parasitas. Mais de 30% da população em países industrializados são afetadas por DTA. Foto: Reprodução/folha
Fonte: livescienceanvisa, folha