Você apoia esta ideia? Cientista afirma que deveríamos começar a trabalhar e estudar depois das 10 horas da manhã!

Quem nunca quis acordar mais tarde, mas teve que levantar se arrastando da cama para ir ao trabalho ou a escola? Quantas vezes já deixamos o despertador na opção “soneca”, tocando milhares de vezes, por causa daquela preguicinha matinal? Pois é, acordar cedo não é mole! Mas se você acha que seu trabalho, escola, enfim, qualquer atividade diária, deveria começar um pouquinho mais tarde, saiba que agora você têm uma justificativa científica para isso!

Preocupado com o intenso ritmo da sociedade, que leva a privação de sono e acarreta problemas à saúde, estudos de um pesquisador da Universidade de Oxford indicam que acordar mais tarde pode ser benéfico. Para ele, considerando as necessidades individuais, o ideal seria que a rotina de uma pessoa com mais de 18 anos começasse após as 10 da manhã! O estudo aponta ainda que crianças com idade entre 8 e 10 anos deveriam começar suas atividades pelo menos as 8:30h, enquanto adolescentes com até 16 anos deveriam iniciar a partir das 10h. Com o objetivo de comprovar essa teoria, a pesquisa realizará o acompanhamento de estudantes de escolas inglesas que adotaram o horário de início das aulas mais tarde do que o convencional, e para não influenciar nos resultados, pesquisadores externos julgarão indícios da melhora, ou não, de aprendizagem.

A pesquisa tem fundamento, pois vários fatores justificam a preocupação com o sono. Para que serve dormir? Ao contrário do que muitos pensam, dormir não é apenas para relaxar ou recarregar energias. Além do descanso, outros fatores estão relacionados ao sono, como a consolidação da memória e do aprendizado (toda informação que recebemos em nossas atividades cotidianas são consolidadas durante a fase REM – a mais profunda do sono), repouso para nosso organismo (durante o sono, pressão arterial, batimentos cardíacos, produção de urina, enfim, a atividade de vários órgãos do corpo, diminuem) e a produção de hormônios (ligados ao apetite, ao crescimento, a produção de leite materno, ao controle de substâncias no sangue, dentre outros).

sleep

Assim, é compreensível a abstinência do sono estar ligada a uma série de problemas, como obesidade, cardiopatias, diabetes, depressão, ansiedade, irritabilidade, dificuldade de concentração e perda de memória recente, dentre outros. Dormir é essencial para estimular o metabolismo, ajudar no crescimento, equilibrar a pressão arterial, estimular a memória e retardar o processo de envelhecimento da pele (para que usar cremes caros, se vocês podem dormir meninas?). E em média, 7 ou 8 horas de sono bastam para um adulto (e algumas horas a mais para crianças). Mas em tempos de muitas preocupações, quem nunca virou a noite acordado estudando, ou mesmo contou as horas que lhe restavam para dormir, antes do trabalho?

Com os estresses da atualidade vários distúrbios do sono acometem a população mundial. Insônia virou moda! Além desse estudo, outros já demonstraram que a capacidade de atenção, de alguém sem dormir por muitas horas, é menor do que de uma pessoa que ingeriu algumas doses de álcool. Tomografias computadorizadas mostram também que a atividade cerebral, em alguém privado de sono, é menor, principalmente em regiões responsáveis pelo planejamento e execução de ações, e por atividades motoras. Então, qual a vantagem em deixar de dormir para fazer atividades, se o corpo e a mente não poderão colaborar para sua produtividade? É um caso a se pensar, mas com uma resposta simples: DURMA! E para um bom sono, durma em horários regulares (preferencialmente, antes da meia-noite), evite consumir estimulantes (café, chocolate, etc.) e comer carboidratos a noite, não durma longos períodos durante o dia (mas a famosa soneca é saudável, não se preocupe!) e não use computadores, celulares, etc., antes de dormir (a luz estimula o cérebro e impede a produção de melatonina, essencial para o sono).

saladeaula1610

Fonte: cerebromente/businessinsider/institutobrasileirodosono/ogeriatra/jcnet   Imagens: dicasdedinheiro/gohome/es.gov