Anomalias e doenças

10 coisas que você  jamais deve deixar de contar ao seu ginecologista

Toda mulher que teve ou tem vida sexual deve consultar o ginecologista uma vez por ano para se submeter a uma avaliação clínica que inclui o exame de toque, o exame pélvico e a coleta do material para o Papanicolau. Independentemente da faixa etária da paciente, a consulta periódica com o ginecologista é tida como item indispensável para a boa saúde e prevenção de doenças.

Os assuntos de sexo são extremamente desconfortáveis para abordar, a não ser para a melhor amiga. Mas o ginecologista precisa estar por dentro de tudo que anda acontecendo na sua vida sexual para decidir os exames a pedir e concluir diagnósticos importantes para a saúde da mulher.


Abaixo temos dez coisas que você “tem” que contar ao seu ginecologista caso esteja acontecendo com você.

1- “Eu não usei camisinha”

Todos sabemos que usar preservativo é indispensável em todas as relações, muitas vezes até com o marido ou namorado é importante não dispensar este item. Mas muitas vezes as mulheres acabam tendo relações desprotegidas e isso é muito importante de ser dito ao seu ginecologista. Os especialistas dizem que muitas doenças são silenciosas e podem não apresentar sintomas por anos. Ou então, a informação pode ser a chave para um sintoma que você pode estar sentindo.

2- “Não consigo ter orgasmo”

O ginecologista precisa saber se você não está conseguindo ter prazer. A informação pode ajudar a investigar as causas do problema. Este também, pode ser um sintoma de algum problema mais grave.

3- “Às vezes tenho sangramento durante a relação”

Mulheres que tem sangramentos repetidos durante a relação não deve esconder isso do médico. Às vezes, como acontece só um traço de sangue, que não persiste a mulher acaba tratando como uma coisa banal. Mas isso, pode representar problemas no colo do útero, infecções e úlceras no canal genital.

4- “Minha menstruação é irregular”

Esta é outra informação que muitas mulheres ignoram e acabam nem comentando com o médico. Mas desequilíbrios hormonais, infecções e cistos podem causar alterações no ciclo menstrual. Essa informação é extremamente importante para que o ginecologista possa investigar algum problema. Inclusive, quando estiver chegando a data de visitar seu médico, anote todas as datas do seu ciclo para que ele tenha mais informações.

Amenorreia-Ausência-da-menstruação-2

5- “Sinto dor durante as relações”

Sentir dores durante as relações é um sinal de que há algo errado com você e deve ser relatado ao ginecologista. O problema pode ter várias causas que serão investigadas e tratadas pelo especialista. Desconforto pode indicar desde doenças cervicais a distúrbios psicológicos.

6- “Sofri abuso”

Este assunto é delicado e quando acontece o que a mulher quer é esquecer. Mas, por mais constrangedor que seja, o abuso também está na lista das coisas que devem ser relatadas ao seu ginecologista. Com essa informação, o especialista poderá dar à mulher toda a assistência necessária para garantir que tudo esteja bem com seu corpo.

7- “Tenho cheiro ruim na genitália”

Uma genitália limpa e saudável, não tem cheiro, é  inodora. Mal cheiro nos órgãos genitais é um sinal de que algo está erradoMais comumente, os odores de corrimento são causados por vaginite, uma inflamação das células do revestimento do canal genital, ocorre quando o equilíbrio normal de bactérias, protozoários e leveduras é perturbado por um fator externo. Em casos mais extremos pode representar uma infecção pélvica e até câncer de útero. Por isso, nunca deixe de contar se estiver com mal cheiro.

8- “Penso em ser mãe”

As mulheres que pensam em engravidar em um futuro, mesmo que ele não seja tão próximo, devem conversar sobre isso com o seu ginecologista. Além de indicar hábitos que não prejudiquem a fertilidade, o especialista pode pedir exames e indicar tratamentos específicos para esse fim.

exame-de-toque-2

9- “Eu uso drogas ou suplementos”

Sim, o ginecologista precisa saber disso também. O uso de suplementos, medicamentos e até mesmo drogas ilícitas ou não deve ser compartilhado com o médico, pois algumas dessas substâncias causam alterações no corpo da mulher, principalmente durante a gestação.

10- “Tenho muitos parceiros”

É uma informação íntima, mas deve sim ser compartilhada com seu médico, principalmente se estiver com as relações agitadas com diferentes parceiros. Mesmo que ele não pergunte, é preciso revelar também quantos parceiros você teve ou mantém recentemente. Isso ajuda o médico a direcionar melhor o atendimento.

Fonte:  bolsademulher/sobrebeleza  Imagens: onmeda/muitochique/bolsademulher

⚠  ATENÇÃO:  Nosso novo site, especial para mulheres, já está no ar. Acesse Diário Mulher.



Comentários

Novidades

Topo