Os casos de apendicite exigem sempre cirurgia? Sua dor na barriga pode significar algo grave.

O corpo humano possui órgãos com diversas funções. O sistema digestório, por exemplo, é um longo caminho pelo qual o alimento que comemos é triturado, absorvido e excretado, sendo composto pela boca, faringe, esôfago, estômago, intestino e ânus.  Esses órgãos também possuem algumas especificidades, como o intestino, que se divide em delgado, responsável pela absorção de nutrientes, e grosso, que, dentre várias funções, absorve água e decompõe o bolo alimentar, formando e acumulando as fezes.

No início do intestino grosso há uma pequena estrutura, o apêndice, que ao contrário de outras partes, parece não possuir funções vitais! Você provavelmente já ouviu falar ou conhece alguém que operou por causa da apendicite. Mas porque temos uma estrutura que aparenta ser útil apenas para inflamar? O apêndice é o que chamamos na Biologia de órgão vestigial, ou seja, é um órgão que já possuiu alguma função, mas que ao longo da evolução de nossa espécie perdeu sua utilidade. Em alguns animais herbívoros esse órgão é enorme, muito importante na digestão, enquanto em nós chega a ter apenas 8 cm e função alguma!

Possuir apêndice não é problema. O incomodo está em sua inflamação, relacionada principalmente a entrada/acúmulo de fezes nessa estrutura, e consequente proliferação de bactérias. Sintomas como febre, mal-estar, calafrios, tremores, náuseas, vômitos, perda de apetite, e principalmente dores, são manifestados rapidamente e a dor é bem característica: começa na parte mais alta da barriga (boca do estômago) e algumas horas depois concentra-se no lado direito. Quando isso acontece é necessário procurar um médico com urgência! A apendicite aguda pode “estourar” e se tornar supurada, ou seja, o tratamento deve ser realizada em poucas horas após o início da inflamação para não correr o risco de que se rompa e libere suas bactérias no abdômen, causando complicações a saúde.

Sintomas-da-apendicite
No início do intestino grosso há uma pequena estrutura, o apêndice, que ao contrário de outras partes, parece não possuir funções vitais! Foto: Reprodução/ culturamix

O tratamento mais comum é cirúrgico, sendo realizado à cerca de 100 anos! Mas será que esse processo doloroso e de recuperação demorada é a única maneira? Estudos recentes demonstram que é possível, em casos simples de apendicite aguda, realizar tratamentos à base de antibióticos. Muitos pacientes submetidos a esse tipo de tratamento conseguiram evitar o ato cirúrgico. Em casos em que não é possível evitar a cirurgia, o antibiótico demonstra diminuir a probabilidade de complicações durante a operação e no pós-operatório, como as infecções. Diante da possibilidade, pesquisadores apontam para a necessidade de repensar nas tradições da medicina e avaliar outras hipóteses. Afinal, se temos outros meios para evitar sofrimentos, porque não utilizar?

apendice
O tratamento mais comum é cirúrgico, sendo realizado à cerca de 100 anos! Foto: Reprodução/ medfoco

 

Fontes: infoescolasobiologiatuasaudesciencenews e livescience