Curiosidades

Atenção gestante e mamães: Seu bebê é o que você come (comia)



O que uma mãe pode ou não comer durante a gravidez é uma polêmica que dura anos e está longe de ser resolvida. Há sempre um médico ou um chato relatando uma lista de coisas que a grávida deve evitar e coisas que ela deve comer. Mas algo pouco estudado é se o que a mãe come durante a gravidez vai influenciar os gostos alimentícios da criança quando essa nascer.

A primeira pesquisa relacionada a isso, descreveu quatro recém-nascidos que nasceram com cheiro diferentes, depois de as quatro mães terem feito refeições diferentes pouco antes do parto. Cada bebê nasceu com o cheiro de algum ingrediente que estava fortemente presente na refeição da grávida, como cominho e feno-grego  (leguminosa grega). A partir disso os cientistas passaram a pensar que a ideia absurda de que os alimentos que as mães comem, influenciam diretamente a vida dos filhos, não ser tão absurda assim. Mas como isso acontece?


Tudo o que a mãe come é quebrado em pequenas moléculas e vai parar na corrente sanguínea, incluindo substâncias que podem ter cheiro forte. O sangue chega até a corrente sanguínea do feto através do cordão umbilical e da placenta. O feto também elimina urina dentro do saco amniótico onde ele está, ou seja, elimina moléculas odoríferas dentro do saco fechado. Depois de algumas semanas embanhando no odor de algo como o cominho que a mãe vem ingerindo e chega até o feto, é normal que a criança nasça com aquele odor. Posteriormente pesquisadores nos EUA conseguiram provar que o que a mãe come afeta o cheiro que o filho tem quando nasce, fazendo cinco mães ingerirem alho e cinco mães ingerirem leite e retirando uma pequena quantidade do líquido amniótico para análise. O líquido amniótico tinha o cheiro do que as mães haviam ingerido.

Mas e quanto aos gostos alimentícios? O que a mãe como pode influenciar os filhos nesse quesito? Para responder essas questões é importante citar novamente o líquido amniótico. Isso porquê no segundo trimestre de gravidez, o feto pode passar a engolir esse líquido. A deglutição não só ajuda a regular a quantidade de fluido no saco amniótico, mas também pode auxiliar no desenvolvimento de digestivo do bebé e sistemas respiratórios. É possível que ao engolir líquido amniótico com sabor no útero, os bebês desenvolvam uma preferência por aqueles sabores após o nascimento?

gravida-comendo

O que uma mãe pode ou não comer durante a gravidez é uma polêmica que dura anos e está longe de ser resolvida. Há sempre um médico ou um chato relatando uma lista de coisas que a grávida deve evitar e coisas que ela deve comer. Foto: buscasaude

Para testar isso pesquisadores recrutaram doze mulheres que regularmente consumiam anis e doze mulheres que nunca haviam o experimentado. Durante as últimas 2 semanas de gravidez as mães que gostavam de anis ingeriraram grande quantidade desse alimento. Logo após os bebês nasceram, foram oferecidos a eles um cotonete embebido em anis e um cotonete embebido em parafina. Os filhos de mães que consumiam anis, abocanharam os cotonetes embebidos em anis e rejeitaram os embebidos em parafina. Já os outros bebês não tiveram reações para nenhum dos cotonetes. Isso além de mostrar que os bebês são influenciados pelo que a mãe come, também mostra que eles reconhecem o cheiro, devido as partículas odoríferas que ele recebe pelo sangue como citado anteriormente.

Portanto você pode começar a escolher o que seu filho vai comer quando ele tiver a idade para escolher isso. É bom começar a ingerir vegetais e legumes ao invés do chocolate, ou então, depois não poderá reclamar.

alimentacao-gestante

Portanto você pode começar a escolher o que seu filho vai comer quando ele tiver a idade para escolher isso. É bom começar a ingerir vegetais e legumes ao invés do chocolate, ou então, depois não poderá reclamar. Foto: engravidar

Fontes: iflscience

 

Novidades

Topo
error: Sinto muito! Conteúdo protegido.