Curiosidades

11 motivos que podem atrasar sua menstruação





Se o sua menstruação é certinha como um relógio cada mês, todas as vezes que atrasa é motivo para tirar conclusões precipitadas.  Quando uma mulher está tentando engravidar, então, apenas um dia de atraso é motivo de festa. Quando não espera estar grávida, logo já vem o susto. Mas, muitas vezes a menstruação não vem e a mulher não tem nenhuma razão para acreditar que poderia estar grávida, e então, vem a dúvida: Por que não menstruei? Veja os motivos que podem levar a uma ausência menstrual.

1. Gravidez

Sim, a primeira e mais comum razão para a ausência de menstruação é a gravidez. No início da gravidez muitas mulheres sentem cólicas abdominais, inchaço e sensibilidade nos seios, os mesmo sintomas que elas sentem na TPM. Mas se a menstruação não veio, e a mulher teve relações sem proteção é hora de fazer um teste de gravidez. O melhor é aguardar pelo menos uma semana de atraso, mas muitos testes já conseguem detectar o gonadotrofina coriônica humana (mais conhecido como hCG, hormônio liberado durante a gravidez) mais cedo.


2.Estresse

Sabemos que o estresse pode resultar em diversos problemas de saúde como dores de cabeça, ganho de peso, acne e outros problemas de pele, mas poucas pessoas sabem que uma mulher muito estressada sofrer com ausência de menstruação. Quando estamos sob estresse físico ou emocional, nosso corpo produz hormônios com a adrenalina e o cortisol, o hormônio do estresse. Quando os níveis hormonais sobem além do esperado o cérebro precisa decidir qual funções no organismo são essenciais neste momento de grande estresse. O fluxo sanguíneo é levado para os músculos e aumento dos níveis de oxigênio nos pulmões (uma preparação para um evento de “luta e fuga”, que você já deve ter ouvido falar), enquanto isso, outros órgãos como sistema digestivo e reprodutor pode diminuir ou sessar suas atividades em casos de extremos de estresse. Assim, uma situação de forte estresse pode sim atrasar ou interromper o ciclo menstrual.

No início da gravidez muitas mulheres sentem cólicas abdominais, inchaço e sensibilidade nos seios, os mesmo sintomas que elas sentem na TPM. Mas se a menstruação não veio, e a mulher teve relações sem proteção é hora de fazer um teste de gravidez.  Foto: Reprodução/donagiraffa

No início da gravidez muitas mulheres sentem cólicas abdominais, inchaço e sensibilidade nos seios, os mesmo sintomas que elas sentem na TPM. Mas se a menstruação não veio, e a mulher teve relações sem proteção é hora de fazer um teste de gravidez. Foto: Reprodução/donagiraffa

3. Doenças

É importante tentar lembrar qual foi a última vez que a ovulação aconteceu. Se nesta época a mulher esteve doente, com uma forte gripe, alguma infecção ou outra doença mais grave, o corpo pode entrar naquela fase de “função mais importante” (citada acima). A ovulação pode ser adiada ou não acontecer, o que significa que a menstruação pode atrasar ou não acontecer.

4. Peso

O peso pode afetar o hipotálamo, uma região do encéfalo com função de regular diversos processos metabólicos, inclusive a menstruação. Perda muito extrema de peso, baixa ingestão calórica irá afetar o hipotálamo e o corpo não irá liberar o estrogênio necessário para construir o revestimento do útero que terminará na menstruação. Assim, casos de bulimia e anorexia podem atrasar ou interromper de vez o ciclo menstrual. Por outro lado, o excesso de peso também irá interferir nas funções do hipotálamo, produzindo estrogênio em exagero. A sobrecarga deste hormônio pode resultar em meses sem ovular e, portanto, sem menstruação. Muito ou pouco peso, assim que a mulher retorna um peso ideal, tudo volta ao normal com o ciclo menstrual.

O excesso de peso também irá interferir nas funções do hipotálamo, produzindo estrogênio em exagero. A sobrecarga deste hormônio pode resultar em meses sem ovular e, portanto, sem menstruação. Foto: Reprodução/telugu

O excesso de peso também irá interferir nas funções do hipotálamo, produzindo estrogênio em exagero. A sobrecarga deste hormônio pode resultar em meses sem ovular e, portanto, sem menstruação. Foto: Reprodução/telugu

5. Excesso de exercício físico

Praticar exercício físico é sempre um ótima opção. Mas, algumas mulheres costumam exagerar na malhação e, muitas vezes restringindo a alimentação, com isso o corpo não produz estrogênio suficiente para completar o ciclo menstrual. Em algumas mulheres que praticam muito exercício físico como bailarinas, atletas e ginastas profissionais é muito comum terem episódios de amenorreia (falta de menstruação por três meses ou mais). Mas, não é preciso ser atleta para mexer com o ciclo menstrual, qualquer mulher que malha excessivamente sem ingerir calorias suficientes para manter as atividades básicas do organismo, podem ter a menstruação interrompida por alguns meses, sim.

6. Mudanças drásticas nos horários

Acredite ou não, mudar drasticamente seus horários pode resultar em um atraso menstrual. Por exemplo, se durante muito tempo uma mulher trabalhou no período da noite tempo e não consegue descansar o bastante durante o dia, seu relógio biológico fica atrapalhado e todos os hormônios que regulam este estado ficam desregulados, afetando também o estrogênio e isso resulta em atraso menstrual. Com os horários voltando ao normal, tudo se resolve!

Em algumas mulheres que praticam muito exercício físico como bailarinas, atletas e ginastas profissionais é muito comum terem episódios de amenorreia (falta de menstruação por três meses ou mais).  Foto: Reprodução/dicassobresaude

Em algumas mulheres que praticam muito exercício físico como bailarinas, atletas e ginastas profissionais é muito comum terem episódios de amenorreia (falta de menstruação por três meses ou mais). Foto: Reprodução/dicassobresaude

7. Amamentação

A mulher que está amamentando também pode ficar por longos períodos sem menstruar, uma vez que a prolactina (hormônio responsável pela produção do leite materno), também suprime a ovulação. Muitas mês ficam muitos meses e até mais de um ano sem menstruar enquanto amamentam, mas, nestes casos a falta de menstruação não indica que a mulher não pode engravidar, é preciso ter cuidado. E por fim, assim que acontecer o desmame do bebê, depois de 3 ou 4 meses a menstruação volta ao normal.

8. Medicação

Os medicamentos mais comuns para causar alterações menstruais são os anticoncepcionais. As pílulas fazem o corpo parar de ovular. Mas o que é aquele sangramento que as mulheres tem quando estão tomando pílula? Podemos dizer que aquilo é uma menstruação “fake”, também conhecida como “hemorragia de privação”, que é resultado diminuição dos hormônios ingeridos.  Muitas vezes os hormônios da pílula agem por tanto tempo que o sangramento (que não é menstruação verdadeira) é muito pouco e alguns destes medicamentos são projetados para parar a menstruação por um longo período de tempo (três meses ou mais). A pílula do dia seguinte também pode atrasar a menstruação, assim como, antidepressivos, antipsicóticos, corticoides e medicamentos quimioterápicos.

A mulher que está amamentando também pode ficar por longos períodos sem menstruar, uma vez que a prolactina (hormônio responsável pela produção do leite materno), também suprime a ovulação.  Foto: Reprodução/meuanticoncepcional

A mulher que está amamentando também pode ficar por longos períodos sem menstruar, uma vez que a prolactina (hormônio responsável pela produção do leite materno), também suprime a ovulação. Foto: Reprodução/meuanticoncepcional

9. Desequilíbrio hormonal

Síndrome do ovário policístico (SOP) é  uma condição em que os hormônios sexuais femininos estão fora de equilíbrio. A SOP pode causar cistos nos ovários e impedir a ovulação ocorra regularmente. Os sintomas da SOP são: aumento do volume ovariano, ausência ou irregularidade da menstruação, ausência de ovulação, aumento de peso, aparecimento de acne, hirsutismo (crescimento de pelos no rosto e outros locais em que a mulher normalmente não tem pelos), queda de cabelo, resistência insulínica (RI) e problemas com a fertilidade.

10. Distúrbios na tireoide

A tireoide é responsável pela produção dos hormônios tireoidianos (T4 e T3), que desempenham importante papel no metabolismo e funcionamento de praticamente todos os sintomas e órgãos do corpo. Quando esta glândula não funciona corretamente, pode causar alterações menstruais. O hipertireoidismo pode causar menstruações com pouco fluxo e menos frequentes, sintomas adicionais incluem perda de peso, taquicardia, aumento da sudorese e insônia. O hipotireoidismo também pode atrasar e interromper a menstruação; ele também pode causar ganho de peso, fadiga, pele seca e a perda de cabelo.

11. Periomenopausa

Antecedendo o episódio da menopausa, temos a perimenopausa, período em que há alterações hormonais importantes, especialmente nos níveis de estrogênio e progesterona. Além das falhas menstruais, destacam-se os fogachos (ondas de calor intenso) e, entre os psíquicos, tristeza, desânimo, irritabilidade e labilidade emocional, ou seja, grande flutuação do humor. Muitas se queixam, ainda, de insônia e alterações da memória.

Antecedendo o episódio da menopausa, temos a perimenopausa, período em que há alterações hormonais importantes, especialmente nos níveis de estrogênio e progesterona.  Foto: Reprodução/bolsademulher

Antecedendo o episódio da menopausa, temos a perimenopausa, período em que há alterações hormonais importantes, especialmente nos níveis de estrogênio e progesterona. Foto: Reprodução/bolsademulher

Fonte: whattoexpect

Novidades

Topo