Animais

Ciência explica: Por que nós temos medo de aranhas?

Ciência explica: Por que nós temos medo de aranhas?
Esse texto foi útil para você?

Com certeza você conhece alguém que tem muito medo de aranhas. É algo diferente de baratas, da qual sentimos mais nojo do que medo. Alguns cientistas fizeram pesquisas e descobriram que o medo de aranhas pode ser inato do ser humano, isso é, algo que já nasce com a gente.

Isso acontece devido as aranhas serem um perigo ancestral para o homem. É bom lembrar que nossos antepassados tiveram que conviver com esses seres de oito patas por muito tempo, e em locais onde a proteção contra uma mordida era quase inexistente. Como algumas espécies de aranhas são venenosas os seres humanos do passado devem ter evitado o contato com o “possível assassino”.


Os humanos em geral apresentam uma capacidade de rápida detecção de ameaças imediatas, graças ao aprendizado e os mecanismos ancestrais. Isso veio evoluindo com o tempo, até chegarmos ao estágio que estamos hoje. Algumas espécies irmãs das aranhas mais venenosas que conhecemos hoje foram encontradas em fósseis de 40 milhões de anos, provando que o homem já teve medo de aranhas por muito tempo.  Por isso também temos medo de cobras e ratos por exemplo.

Porém o medo de aranhas hoje em dia é infundado. Apenas 200 espécies das 40 mil conhecidas podem causar algum problema para os humanos. Dessas espécies são pouquíssimas espécies que convivem nos mesmos ambientes que nós. Existe uma média de 200 mortes por ano, causadas por aranhas, o que comparado a outros animais é considerado um número baixo. Ainda assim quando testados com imagens aparecendo rapidamente na tela de um computador, a maioria das pessoas testadas reagiram negativamente quando apareceu uma aranha. Os pesquisadores ainda afirma que se você estiver andando e tiver uma agulha e uma aranha no chão, você vai preferir pisar na agulha.

aracnofobia-cura

O medo de aranhas hoje em dia é infundado. Apenas 200 espécies das 40 mil conhecidas podem causar algum problema para os humanos. Foto:

Fonte: iflscience


Novidades

Topo