Sua saúde

Por que a maconha dá uma fome danada (larica)?

Por que fumar maconha dá fome (larica)? Estudo científico explica.

Por que fumar maconha faz as pessoas sentirem uma fome enorme? As pessoas chamam de larica. O que acontece no organismo?”(Luciano Duarte)

Luciano, recentemente saiu um estudo, nos Estados Unidos, que explica parcialmente como a maconha age no organismo de quem a consome e como é desencadeada a fome exagerada, a famosa ‘larica’.

Segundo o estudo, essa fome desordenada que a pessoa sente logo após o uso da maconha, ocorre devido ao estímulo que o neurônio sofre, sendo que em circunstâncias normais, a função deste era suprimir o apetite. Essa é uma resposta básica e bem simples. Mas na prática é um pouco mais complexo.




E como os cientistas chegaram a essa conclusão? Utilizando camundongos geneticamente modificados, foi possível mapear a rota celular que produz a ação da maconha no cérebro e monitorar os circuitos cerebrais que promovem a fome. Através desse mapeamento, foi possível verificar que a região onde ocorre a supressão do apetite, chamada de POMC (pró-opiomelanocortina) que está situado no hipotálamo, deixa de sofrer a ação de uma enzima chamada a-MSH. Sua função é ‘avisar’ ao cérebro que a pessoa já está saciada e já pode parar de comer.

Leia também: Um alerta: Donos que fumam maconha perto dos seus cães estão deixando os animais fatalmente intoxicados!

Em contrapartida, o efeito da maconha ativa uma enzima no cérebro, chamada beta-endorfina, responsável por aumentar o apetite. Assim, estes dois efeitos combinados, criam o efeito de fome insaciável. Por alguns momentos, o cérebro fica ‘desorientado’ e ao invés de frear a fome, ele acaba sendo estimulada, mesmo se a pessoa estiver saciada. Após o desaparecimento dos efeitos da maconha, o cérebro retoma o ‘controle’ novamente.

Esse estudo não desvendou completamente todos os mecanismos que atuam no processo de ativação da fome incontrolável. Portanto, já se sabe que além desses processos descritos nesse artigo, ocorrem outros processos concomitantes dentro do hipotálamo. Além disso, o processo pode afetar outras partes do cérebro também.  Ainda não se sabe se esses mecanismos de ação são válidos para quem faz uso recreativo da droga.



Fonte: ciencia Este texto é de autoria do Biólogo Paulo Alex
Topo