Animais

Pesquisadores garantem que a Malária e a Filariose poderão ser combatidas pelos próprios mosquitos vetores!

Pesquisadores garantem que a Malária e a Filariose poderão ser combatidas pelos próprios mosquitos vetores!
Esse texto foi útil para você?

Se o estudo for um sucesso, estas duas doenças serão exterminadas futuramente.    A Malária ou Paludismo é uma doença infecciosa transmitida por mosquitos e provocada por protozoários. A doença é geralmente transmitida através da picada de uma fêmea infectada do mosquito Anopheles, a qual introduz o protozoário no sistema circulatório do hospedeiro. A malária se manifesta através de sintomas como febre e dores de cabeça, que em casos graves podem progredir para coma ou morte.

A OMS estima que em 2010 tenham ocorrido 219 milhões de casos de malária que provocaram a morte a 600.000 pessoas. Outras fontes estimaram o número de casos entre 350 e 550 milhões e 1,24 milhões de mortes em 2010.


Já a Filariose ou Filaríase ou como é mais conhecida popularmente elefantíase é uma doença parasitária, considerada como doença tropical infecciosa, causada por nematóides filariais. A forma sintomática mais conhecida da doença é a filaríase linfática, popularmente chamada de elefantíase em referência do inchaço e engrossamento da pele e tecidos subjacentes. Em 2004 afetava 120 milhões de pessoas em todo o mundo.

Essas duas doenças afetam milhões de pessoas todos os anos e são considerados problemas mundiais. A fim de solucionar esses dois problemas, pesquisadores recorreram à engenharia genética. Eles utilizarão os próprios mosquitos para combater a si mesmo.

20091105151290_malaria_imgrede812

A doença é geralmente transmitida através da picada de uma fêmea infectada do mosquito Anopheles, a qual introduz o protozoário no sistema circulatório do hospedeiro. Foto: Reprodução/bol

Como funciona? No caso da malária, os cientistas descobriram uma possível arma para combater a doença diretamente no material genético do mosquito (Anopheles gambiae), o vetor da forma mais grave da doença na África. Essa alternativa foi escolhida, porque eles descobriram que as variações de um gene podem afetar a capacidade do mosquito em  resistir à infecção do parasita da malária. Ou seja, com a alteração desses genes os mosquitos podem passar a “adoecer” assim que forem contaminados.

Já no caso da filariose, os cientistas descobriram que infectar os mosquitos com um tipo de parasita bacteriano DEVE ajudar a prevenir a doença. Caso o mosquito seja infectado com a bactéria Wolbachia, seu tempo de vida pode ser reduzido, e consequentemente, reduzir a possibilidade de transmissão da doença para humanos.

Os estudos ainda estão em fazer de teste, mas tudo indica que será um sucesso. Vamos torcer!

malária, os cientistas descobriram uma possível arma para combater a doença diretamente no material genético do mosquito (Anopheles gambiae), o vetor da forma mais grave da doença na África.Foto: Reprodução/veja

malária, os cientistas descobriram uma possível arma para combater a doença diretamente no material genético do mosquito (Anopheles gambiae), o vetor da forma mais grave da doença na África.Foto: Reprodução/veja

Fonte: sitedecuriosidades, malária, filariose

Este texto é de autoria do Biólogo Paulo Alex


Novidades

Topo