Curiosidades

Salto na medicina: primeira mulher com útero transplantado dá à luz a um bebê saudável

Uma mulher na Suécia se tornou a primeira pessoa no mundo a dar à luz depois de ter sido submetido a um transplante de útero, abrindo-se a possibilidade de gravidez para milhares de mulheres inférteis em todo o mundo. A infertilidade uterina é a dificuldade da maioria das mulheres que não podem ter filhos e até então, era visto como um problema intratável.

Pensando nisso, foi criado um programa teste com um grupo de sete mulheres que foram submetidas a um transplante de útero. Os resultados são animadores e mostram que este pode ser o tratamento mais viável para as mulheres que nasceram sem útero, possuem má formação uterina ou talvez possam ter perdido este órgão para o câncer. Seis delas tiveram seus úteros doados por suas mães e uma mulher, recebeu de uma doadora no qual não tinha parentesco algum. Esta mulher, com 36 anos e recebeu seu útero de uma outra de 61 anos e após o procedimento, ela foi submetida a um tratamento de fertilização in vitro. Os procedimentos funcionaram, e essa mulher deu à luz a um bebê saudável. Logo após o nascimento, ela teve o útero transplantado removido. Isto é importante, porque as drogas que as mulheres têm que tomar para evitar a rejeição pelo corpo do sistema imunológico pode ser prejudicial se tomado a longo prazo.  Até Outubro de 2014, outras quatro mulheres utilizadas no experimento conseguiram ultrapassar a marca de 25 semanas de gestação. Duas participantes tiveram seus úteros transplantados removidos, devido ao corpo ter rejeitado.


1412382946112_wps_55_Livebirth_after_uterus_tr

Mulher sueca com 36 anos e recebeu seu útero de uma outra de 61 anos e após o procedimento, ela foi submetida a um tratamento de fertilização in vitro. Os procedimentos funcionaram, e essa mulher deu à luz a um bebê saudável. Foto: naija

Agora, hospitais de toda a Europa, EUA, Austrália e China estão pensando em iniciar seus programas de transplantes com base neste procedimento. Por se tratar de um procedimento novo, estão verificando ainda, o quão eficaz é esse procedimento e quais são os riscos às mães.

Para esse procedimento ter maior chances de sucesso, é necessário ter um útero doado por um parente, que pode ajudar a reduzir esse tipo de complicação, mas ainda não há garantia sobre a forma como o corpo do indivíduo vai reagir. Esse tratamento, obviamente, custa caro e pode chegar a cerca de 125 mil dólares.

Fonte: sciencealert 
Este texto é de autoria do Biólogo Paulo Alex

Novidades

Topo