Animais

Tartaruga fica coberta por cracas por permanecer muito tempo imóvel em uma rede de pesca

Tartaruga fica coberta por cracas por permanecer muito tempo imóvel em uma rede de pesca
Esse texto foi útil para você?

O abandono de material de pesca nos mares e rios se transformam em armadilhas fatais para os animais que vivem na água. O caso desta tartaruga-cabeçuda teve final feliz, mas nem sempre é assim. Ela foi resgatada no Golfo do México, por uma equipe organização sem fins lucrativos que resgata, reabilita e devolve tartarugas marinhas ao seu habitat natural (Sea Turtle Inc).

A bela tartaruga já estava doente e muito debilitada devido a quantidade enormes de cracas presas em várias parte do corpo. As cracas são crustáceos marinhos sésseis que na fase adulta possuem um esqueleto externo calcificado. Normalmente elas escolhem substratos rochosos e fundos de embarcações e raramente se instalam sobre outros animais por causa do constante movimento que não é bom para o seu desenvolvimento.


Provavelmente, quando as cracas ainda estavam na fase larval  encontraram a tartaruga presa na rede de pesca pelo pescoço, o que a impedia de andar e limitava muito o seu movimento. Foi um ambiente ideal para que as larvas se instalassem ali, no casco, na cabeça e nadadeiras da tartaruga.

1609750_832146656804232_947725890153273301_n-(1)

A tartaruga debilitada e doente foi resgatada no Golfo do México, por uma equipe da Sea Turtle Inc. Foto: Reprodução/SeaTurtleInc

A tartaruga macho estava muito magra e fraca e assim que foi resgatada precisou iniciar um tratamento com vitaminas e antibióticos. Para a remoção das cracas, a tartaruga foi mantida em um ambiente de água doce. Cracas são crustáceos marinhos filtradores e acabaram morrendo por falta de alimento e se soltando do corpo da tartaruga em poucos dias.

994476_832146716804226_1918246958104712241_n

Provavelmente, quando as cracas ainda estavam na fase larval encontraram a tartaruga presa na rede de pesca pelo pescoço, o que a impedia de andar e limitava muito o seu movimento. Foto: Reprodução/SeaTurtleInc

Fonte: Revista Mergulho

 


Novidades

Topo