Oito  métodos contraceptivos inacreditáveis e bizarros do passado

Antigamente não existia anticoncepcional, nem camisinha, diafragma, DIU, espermicida. Hoje temos muitas opções de contraceptivos disponíveis, mas as mulheres do passado também precisavam evitar gravidez e por isso, recorriam a meios loucos, bizarros, engraçados e alguns muito perigosos. Não é preciso deixar claro aqui que todos estes métodos são falhos e a maioria deles é muito perigoso. Acho que todo mundo já sabe… Confira!

1-    Amarrar testículos de doninhas nas pernas

Na Europa dos anos 500-100 AC, as mulheres faziam amuletos usando testículos de doninhas, osso de gato preto e cera de mula. Tudo era amarrado junto em um saquinho e pendurado nas pernas durante o ato sexual. A crença é que este amuleto afastava as chances de gravidez e muitas mulheres daquela época matavam doninhas machos para extrair seus testículos. As doninhas são mamíferos do gênero Mustela, conhecidas aqui no Brasil como “furão”. Obviamente o amuleto não adiantava muita coisa, a não ser que homem ficasse totalmente desestimulado ao ver testículos pendurados nas pernas de suas mulheres.

testiculos
Na Europa dos anos 500-100 AC, as mulheres faziam amuletos usando testículos de doninhas, osso de gato preto e cera de mula. Foto: Reprodução/youtube

2-    Mistura de cocô de crocodilo e mel

No Egito dos anos 3000 AC as mulheres faziam uma mistura usando cocô de crocodilo e mel para evitar gravidez. Segundo os registros as mulheres introduziam no canal vaginal uma boa quantidade da mistura antes dos encontros amorosos. De fato, o esterco de crocodilo tem uma pH bastante alcalino, assim como os espermicidas atuais. Assim é possível que a mistura possa ter funcionado algumas vezes. De qualquer forma as chances de infecção com certeza eram grandes.

crocodilo
No Egito dos anos 3000 AC as mulheres faziam uma mistura usando cocô de crocodilo e mel para evitar gravidez. Foto: Reprodução/youtube

3-    Suco de cebola crua

Na França do século XVII as mulheres tinham um contraceptivo oral que no mínimo causava repulsa nos parceiros. Elas tiravam o sumo de pelos menos duas cebolas cruas e bebiam antes do coito.

cebola
As mulheres tiravam o sumo de pelos menos duas cebolas cruas e bebiam antes do coito. Foto: Reprodução/youtube

4-    Beber Mercúrio e Chumbo

Na Grécia dos anos 600-800 DC, as mulheres tinham um método contraceptivo oral bastante perigoso. Elas bebiam água de ferreiro (água usada para resfriar as peças de ferro) e chumbo no dia em que teriam um encontro sexual. A prática pode levar a problemas neurológicos, insuficiência renal, convulsões, coma e até morte. O uso de mercúrio como contraceptivo oral foi comum na China antiga. As mulheres bebiam mercúrio para permanecer estéril. Muitas mulheres morreram de intoxicação na época sem se darem conta do motivo.

MERCURIO
Muitas mulheres morreram de intoxicação na época sem se darem conta do motivo. Foto: Reprodução/youtube

5-    Chá de testículos de castores

Cada um se apega ao que tem. As mulheres canadenses do século XVI evitavam gravidez macerando testículos secos no sol de castor que eram colocados em álcool. Aquilo passava alguns dias “curando” e elas então bebiam a mistura. Não há registros de sua eficácia porém é certo que as mulheres ficavam bêbadas!

CASTOR
As mulheres canadenses do século XVI evitavam gravidez macerando testículos secos no sol de castor que era colocados em álcool. Foto: Reprodução/youtube

6-    Diafragma de ouro ou prata

As mulheres europeias mais endinheiradas do século XIX introduziam um objeto parecido com um dedal feito de ouro (ou prata) no órgão genital bem fundo até alcançar o colo do útero. Funcionava como um diafragma, o dedal era preenchido com óleo e cera de abelhas. A abertura dedal ficava voltada para a abertura da vagina na esperança que o objeto funcionasse também como um espermicida. Há registros que as mulheres dessa época tinham muitos problemas ginecológicos, como corrimento, choque tóxico e mal cheiro na genitália.

DEDAL
As mulheres europeias mais endinheiradas do século XIX introduziam um objeto parecido com um dedal feito de ouro (ou prata) no órgão genital bem fundo até alcançar o colo do útero. Foto: Reprodução/youtube

7-    Tripa de porco

Usado em todo mundo durante séculos, as tripas de porco funcionavam como camisinhas. Recomendava-se sua limpeza, imersão em leite morno antes de usar, o que tornava o intestino de porco mais macio e flexível. Alguns historiadores afirmam que a primeira ilustração de um homem usando um preservativo feito de intestino de animais durante os encontros foi o rei Minos de Creta, que viveu por volta de 3000 AC. De alguma forma, dos contraceptivos citados, este era um dos mais eficientes, apesar da óbvia porcaria. Mas era o que tinha!

porco
Usado em todo mundo durante séculos, as tripas de porco funcionavam como camisinhas. Foto: Reprodução/youtube

8-    Coca-Cola como espermicida

Há pouco tempo, as mulheres ainda usavam Coca-Cola como espermicida. Isso acabou se tornando uma parte da tradição de contraceptivos durante os anos 1950 e 1960, quando outros métodos de controle de natalidade eram difíceis de encontrar. A ideia de que a Coca-Cola poderia ser usada como um espermicida foi a grande sensação da cerimônia de premiação do Nobel, realizada na Universidade de Harvard, em outubro de 2008. O método foi não funciona como contraceptivo eficaz e ainda pode trazer muitas doenças de acordo com os cientistas que testaram o método.

COCA-COLA
Há pouco tempo, as mulheres ainda usavam Coca-Cola como espermicida.
Fontes: cracked e youtube