Animais

Bicho estranho com sangue azul tem salvado vidas desde 1964. Aposto que você não sabia disso!

Bicho estranho com sangue azul tem salvado vidas desde 1964. Aposto que você não sabia disso!
Esse texto foi útil para você?

O límulo (Limulus polyphemus) mais conhecido como caranguejo-ferradura, é um artrópode bastante estranho por diversas razões. Para começar, apesar do nome (caranguejo), esta espécie está filogeneticamente mais próxima das aranhas e escorpiões que dos caranguejos (Crustacea) propriamente ditos. Ele ainda é considerado um  “fóssil vivo”, uma vez que os primeiros límulos surgiram há 400 milhões de anos. Estes animais podem viver vários meses sem se alimentar e também podem regenerar partes do corpo perdidas, seguindo um mecanismo parecido com a regeneração das estrelas-do-mar.

Os cientistas afirmam que o fato de os Límulos terem evoluído tão pouco ao longo desses 400 milhões de anos, é uma das razões que faz deste um animal tão diferente dos demais. O mais interessante a respeito dele, é sem dúvida o sangue. O sangue destas criaturas é AZUL, por causa de uma alta concentração de hemocianina e não a hemoglobina encontrada no nosso sangue. A hemocianina é uma proteína do sangue com pigmento azulado pois em vez de ferro, possui cobre em seu princípio ativo, e ao reagir com o oxigênio, fica azul.


O sangue azul do caranguejo-ferradura já vem sendo estudado (e usado) desde 1964 quando descobriu-se que este componente tinha poderes endotóxicos bacterianos e que poderia ser usado na cura de várias doenças causadas por bactérias. O sangue possui uma substância química encontrada apenas nos amebócitos de suas células que pode detectar até mesmo leves vestígios de bactérias e prendê-las em coágulos de onde não conseguem se livrar. Qualquer solução contaminada por bactérias irá formar coágulos parecidos com gel se entrar em contato com o sangue os limúlos. Se não existe contaminação bacteriana, a coagulação não ocorre. É um teste simples, quase instantâneo conhecido como LAL (Limulus Amebocyte Lysate).

Como objetivo de aproveitar ao máximo o poder de detecção bacteriano do sangue azul dos límulos, as indústrias farmacêuticas fazem a extração do sangue da criatura e alguns procedimentos o deixam ideal para os testes LAL. Para obter o composto LAL, requer-se o sangue de ao menos 500.000 caranguejos ao ano, dos quais são extraídos ao redor de 100 mililitros perfurando o pericárdio de seu coração primitivo . Durante o processo 15% dos caranguejos morrem, os demais são devolvidos à água.

caranguejo_ferradura_02

Um litro de sangue deste caranguejo tem um preço aproximado de 15.000 dólares. Foto: Reprodução/wired

caranguejo_ferradura_01

É devido à presença de cobre na hemocianina e não de ferro, que o sangue adquire a peculiar cor azul. Foto: Reprodução/wired

caranguejo_ferradura_05

Extrato aquoso de amebócitos do caranguejo é utilizado com frequência em testes para detectar as endotoxinas bacterianas. Foto: Reprodução/wired

Fonte: theatlantic & wired


Novidades

Topo