Curiosidades

Polêmica: Poderia um espermatozoide humano fecundar um óvulo de outro primata ou vice-versa?

Um espermatozoide humano fecundar o óvulo de outro primata

Polêmica: Poderia um espermatozoide humano fecundar um óvulo de outro primata ou vice-versa?
5 (100%) 1 vote

“Tenho uma dúvida, sobre cruzamento de ser humano com outro primata (como orangotango e chimpanzé). Queria saber se o espermatozoide humano fecundaria um óvulo de primata destes ou vice-versa.” (Arthur Costa)

 Arthur, primeiramente, vamos relembrar como ocorre o processo de fecundação ou fertilização que consiste na união do gameta masculino (espermatozoide) com o gameta feminino (óvulo). Substâncias produzidas por células do óvulo promovem uma atração dos espermatozoides em um evento denominado de quimiotaxia.  Assim que os espermatozoides se aproximam do óvulo, para que possam se fundir, ainda são necessárias grandes tarefas para o gameta masculino. O espermatozoide tem que atravessar as barreiras que revestem o óvulo, formadas  (da superfície para o centro) por: coroa radiada e zona pelúcida. Muitos espermatozoides passam livremente pela coroa radiada.

A zona pelúcida é uma camada rica em substâncias glicoproteicas que facilitam e mantém a ligação do gameta masculino. Além de atuar basicamente como uma barreira seletiva, permitindo que somente os espermatozoides da mesma espécie possam penetrar o óvulo. Ainda na zona pelúcida, acontece outro evento muito importante denominado de reação acrossômica, ou seja, a membrana do acrossoma (estrutura que reveste a parte anterior da cabeça do espermatozoide) funde-se expondo seu conteúdo formado por substâncias que irão facilitar a penetração do espermatozoide. Após este envoltório, o espermatozoide atravessa a membrana celular do óvulo e o núcleo dos dois gametas se funde.




Mas enfim, outro primata pode ou não engravidar um humano?

Agora que já revisamos resumidamente o processo de fecundação, vamos lá a sua pergunta. Por volta da década de 20, um cientista russo, Llya Ivanov, tentou criar um “homem-macaco”. Ivanov inseminou fêmeas de chipanzés com espermatozoides humanos. Ele também fez o contrário: inseminou mulheres com sêmen de chipanzés, com autorização do governo soviético. No entanto, por volta de 1930, em uma reorganização política na ciência soviética, apoiadores do experimento perderam o cargo. Com isso, Ivanov, além de fracassar com os estudos, também foi condenado a cinco anos de prisão.

Já em 1977, o cientista J. Michael Bedford publicou resultados de um estudo envolvendo a fecundação in vitro entre seres humanos e outros primatas. Neste estudo, surpreendentemente descobriram que o espermatozoide humano apresenta algumas afinidades na interação com óvulos de macaco, dependendo da espécie. Em óvulos de macaco gibão, o espermatozoide humano penetrou a camada superficial que reveste o óvulo.



Os mesmos ensaios experimentais realizados com óvulos do macaco rhesus e balbuíno demonstraram que o espermatozoide humano é incapaz de aderir à superfície do óvulo e, muito menos penetrar. Estes estudos foram relevantes no campo da Evolução, pois, sugerem que o processo evolutivo do homem foi acompanhado por uma alteração restritiva da superfície do espermatozoide que limitou, com maior precisão, a adesão de gametas de outras espécies. Por outro lado, o mecanismo molecular pelo qual a zona pelúcida e o espermatozoide de mamíferos se reconhecem parcialmente, continua alvo de muitos estudos.

Fontes: journals

Topo