Curiosidades

É verdade que caxumba desce para os testículos?

É verdade que caxumba desce para os testículos?
3 (60%) 2 votes
Texto de Raquel Costa – Bióloga

“Antigamente se falava que a caxumba descia para o “saco”. Isso tem algum fundo de verdade?” (Ariano Santos)

Bom, a caxumba (Parotite epidêmica), que é também chamada de ‘papeira’, é causada pelo vírus Paramyxovirus, sendo altamente contagioso, e transmitido pelo contato direto com gotículas de saliva. O vírus possui um período de incubação de duas ou três semanas, e quando os sintomas começam a aparecer, o paciente sofre com febre, dores musculares, fraqueza e principalmente dores ao mastigar e engolir, pois o vírus se instala nas glândulas parótidas e por isso que a pessoa fica com aquele inchaço próximo ao pescoço.


As pessoas mais antigas, costumavam dizer então que era preciso deitar com as pernas levantadas para evitar que a papeira desça. Isso NÃO é verdade! O que acontece então é que a infecção pode sim atingir outros órgãos, independente do repouso ou não.        Quando a caxumba atinge os testículos, é chamada então de “orquite pós-caxumba”. A infecção é temporária, porém na maioria das vezes o testículo pode sim, ficar prejudicado, e mais dificilmente até prejudicar a fabricação dos espermatozoides.

sintomas-de-caxumba-11

O Paramyxovirus vírus se instala nas glândulas parótidas e por isso que a pessoa fica com aquele inchaço próximo ao pescoço. Foto: Reprodução/lookfordiagnosis

A caxumba não progride apenas para os testículos. Nas mulheres  o vírus pode atingir os ovários causando uma inflamação chamada “ooforite”.  Algum grau de inflamação nas meninges (meningite) também pode ocorrer. As pessoas com suspeita de caxumba devem procurar assistência médica e não existe tratamento específico, porém deve ser evitado medicamentos à base de ácido acetilsalicílico, pois pode ocorrer sangramento devido à redução de plaquetas por causa da ação do vírus. A melhor maneira então de se evitar a caxumba, é através da vacinação.

Mumps_PHIL_130_lores

A vacina tríplice viral, que protege contra sarampo, caxumba e rubéola, está disponível em postos de saúde para crianças a partir de um ano e pode ser reforçada entre os quatro e seis anos. Foto: Reprodução/tuasaude

Fonte: Fundação Oswaldo Cruz


Novidades

Topo