Anomalias e doenças

Pessoas com olho roxo realmente existem?



“Karlla, recebi uma foto de um bebê com olhos roxos e juravam que não era imagem manipulada. Isso é possível?” Luanna Bassi

Luanna, o nome desta “possível” mutação genética é Gênese de Alexandria (Alexandria’s genesis). Segundo os que defendem esta condição, as pessoas com tal mutação nasceriam com olhos acinzentados que se tornariam roxos por volta dos seis meses de vida. Ao mesmo tempo, as pessoas apresentariam uma pele extremamente branca e apesar disso, seriam totalmente resistentes aos raios UV e jamais poderiam ter pele bronzeada. Ainda são ditos como “super-humanos” e poderiam viver entre 120-170 anos e as mulheres nunca menstruavam, mas seriam férteis. O metabolismo destas pessoas seria super acelerado e por isso, elas jamais teriam sobrepeso e por fim, quase não teriam excretas (quase não faziam cocô e xixi, por exemplo). Sim, é muita informação!


Diz a lenda, que o primeiro relato desta doença foi em 1329, na Inglaterra, onde uma menina chamada Alexandria apresentava esta condição que depois gerou quatro filhos também com os olhos roxos. Ainda fala-se que a variante genética que causa esta mutação foi descoberta muito mais tarde, em 1960. Segundo os “descobridores”, ocorre uma mutação raríssima em um gene que desencadearia a doença. Bem, este conjunto de fenótipos são muito generalizados para serem resultado da mutação de um único gene, seriam necessárias manifestações mutantes em vários genes independentes. Além disso, alguns dos traços associados com este transtorno são fisiologicamente impossíveis.

Não é surpresa para nós que o Gênese de Alexandria é mais uma história inventada. Na verdade ao fazer uma pesquisa, não encontra-se relatos científicos defendendo esta mutação. O que existem são pessoas que creem que existiu no passado, mas que hoje não acontece mais. É claro que se fosse real, os geneticistas saberiam tudo sobre esta mutação e defenderiam sua existência.

47137025_1398348984

alexandria

 

 Fonte: New Health Guide

Novidades

Topo
error: Sinto muito! Conteúdo protegido.