Animais

Conheçam a rã que gera os filhotes no estômago!

Uma pequena rã do leste da Austrália tinha uma gestação um tanto estranha. Conhecida como Rã-de-ninhada-gástrica, as duas únicas espécies do gênero Rheobatrachus (R. silus e R. vitellinus) em época de reprodução tinha um cuidado parental bastante diferente.

As fêmeas colocavam ao todo cerca de 40 ovos, após a fertilização externa pelos machos, elas levavam os ovos para a boca e os engolia. Os primeiros ovos engolidos eram digeridos, mas o organismo do anfíbio cuidava para que o estômago interrompa a produção de suco gástrico, através de uma substância chamada prostaglandina E 2 (PGE 2) presente em um tipo de geleia que envolvia os ovos. Os últimos ovos ficavam alojados no estômago e somente a metade deles conseguia sobreviver a este processo.


Dentro do estômago e protegidos do suco gástrico os ovos iniciavam seu desenvolvimento, a quantidade de vitelo era muito maior do que a encontrada em outros anfíbios. Durante pelo menos seis semanas as jovens rãs eram “geradas” no estômago da mãe. O estômago crescia tanto que pressionava os pulmões e no final do processo, a respiração ficava sendo exclusivamente cutânea. O nascimento era através de regurgitação. Em situação normal, durante uma semana a mãe ia regurgitando aos poucos os filhotes. Mas se molestada, a mãe podia regurgitar todas as rãs jovens em um único vômito para facilitar a fuga.

Infelizmente, todo este texto foi conjugado no passado, pois essas pequenas rãs foram consideradas extintas e não são vistas há mais de 20 anos. Mas, não será nenhuma surpresa se estas pequenas criaturas estiverem superado as adversidades e que voltem a aparecer novamente.

gastric-frog

Essas pequenas rãs foram consideradas extintas e não são vistas a mais de 20 anos.

Fonte: Eol - Encyclopedia of Life

Acesse nosso novo site! data-recalc-dims=

Comentários

Novidades

Topo